​“Guiné Equatorial só deve ir a cimeira lusófona se abolir pena de morte” - ex-PR timorense

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 abr 2019 8:20

1

Teodoro Obiang
Teodoro Obiang

O ex-Presidente timorense José Ramos-Horta afirmou hoje que a participação da Guiné Equatorial na próxima cimeira da comunidade lusófona deve ser condicionada à abolição da pena de morte antes da realização do encontro.

A participação da Guiné Equatorial na próxima cimeira da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) "devia ser condicionada à abolição da pena de morte antes da realização da cimeira. Se não o convite à sua participação deve ser congelado", disse à Lusa José Ramos-Horta.

O antigo chefe de Estado timorense afirmou que “são condições mínimas, básicas de qualquer Estado em pleno século XXI”, e lamentou que “tantos anos depois, a Guiné Equatorial ainda continue apenas com promessas de abolir a pena de morte”.

“É inaceitável do meu ponto de vista, para a própria credibilidade da CPLP”, disse o prémio Nobel da Paz de 1996.

“O ditador Teodoro Obiang praticamente está a borrifar-se para as posições de princípio assumidas pelo país”, afirmou.

Ramos-Horta sublinhou ter feito parte dos apoiantes da adesão daquele país africano à CPLP por acreditar, "talvez ingenuamente, de boa-fé", que uma vez na CPLP, "a Guiné Equatorial sentir-se-ia comprometida a rapidamente abolir a pena de morte e encetar um processo de liberalização com a libertação de presos políticos e o fim da tortura".

“No meio de tudo isto, Portugal foi o único país na altura que se opôs à adesão da Guiné Equatorial. O tempo mostrou que Portugal tinha razão”, considerou.

Agora, a situação podia mudar, se, em particular, a Guiné Equatorial deixasse de contar com “a solidariedade incondicional de Angola e do Brasil”, afirmou. “É altura de a CPLP se resgatar, redimir-se do erro cometido”, sublinhou.

Na terça-feira, o primeiro-ministro cabo-verdiano, Ulisses Correia e Silva, disse que a pena de morte na Guiné Equatorial será abolida até ao final do ano, informação que indicou ter recebido do Presidente equato-guineense, Teodoro Obiang, em visita oficial a Cabo Verde.

No mesmo dia, em Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, saudou a reafirmação da intenção das autoridades equato-guineenses de abolirem a pena de morte, mas recordou que o compromisso existe desde 2014.

"É bom que as autoridades da Guiné Equatorial reafirmem esse compromisso, mas não é a primeira vez que o fazem, nem a segunda, nem a terceira. Esperemos que a reafirmação desse compromisso tenha a consequência prática de extinguir a pena. Do ponto de vista jurídico não é uma operação tecnicamente difícil", destacou, reafirmando que Portugal espera "ansiosamente que esse compromisso seja cumprido" e que essa é uma condição para que o país seja membro da CPLP.

Em declarações à Lusa, à margem da conferência "O Futuro de Macau na Nova China" que decorreu em Lisboa, Santos Silva lembrou que o que se concretizou até agora foi uma moratória que tem suspendido a aplicação desta pena, mas quando a Guiné Equatorial foi admitida na CPLP, o compromisso era eliminar a pena capital do seu ordenamento jurídico.

A CPLP é composta por Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Guiné Equatorial, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 abr 2019 8:20

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 nov 2019 23:21

1

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.