Há potencialidades na CPLP ainda por explorar, defende o PR

PorExpresso das Ilhas, Lusa,20 fev 2019 7:29

1

O Presidente da República de Cabo Verde e presidente em exercício da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) defendeu terça-feira que a comunidade "tem potencialidades que ainda não foram exploradas a fundo" e pediu mais envolvimento.

Jorge Carlos Fonseca, que ontem à tarde proferiu a conferência de abertura do Correntes D'Escritas, encontro de escritores de expressão ibérica, que se realiza na Póvoa de Varzim, apontou que é preciso um "envolvimento mais determinado" entre os países da CPLP.

"Somos perto de 300 milhões de cidadãos pertencentes a esta comunidade, e temos potencialidades que talvez ainda não exploramos a fundo. Podemos ter um papel muito mais relevante na política internacional", disse.

O Presidente reconheceu, ainda assim, que tem sido feito "um bom caminho" para a maior relevância da CPLP, apontando que "o discurso crítico que possa surgir tem de servir como estímulo para que se acredite é preciso fazer mais".

"Temos um grande trunfo, de sermos nove países, que estão em espaços geográficos diferentes, na Europa, América e África. Para haver uma maior aproximação dos povos é preciso mobilidade, abertura de caminhos e circulação entre todos nós no grande espaço que é nossa comunidade", analisou.

Para contribuir para o fortalecimento dessas pontes, Jorge Carlos Fonseca lançou, no Correntes D'Escritas, um livro de poemas, da sua autoria, com o título "A Sedutora Tinta de Minhas Noutes".

"Espero que ajude a cimentar relações de cumplicidade, acelerando o passo para que este grande território da CPLP seja, cada vez mais, um território de criatividade, de cultura, de língua, de negócios e parcerias económicas, para podermos falar, cada vez mais, com uma voz comum", vincou.

Desafiado a definir-se como um 'Presidente escritor', ou um 'escritor Presidente', Jorge Carlos Fonseca falou em duas atividades que, na sua pessoa, se complementam.

"Como Presidente procuro sempre arejar a minha ação política com a escrita, com a literatura, e com o que é esteticamente estimulante. Mas também é visível nos meus escritos, depois de ser Presidente, que há muitos ingredientes, trabalhados poeticamente, que tem que ver com um exercício de uma presidência que tento que seja próxima das pessoas", considerou.

Na apresentação do seu livro no Correntes D'Escritas, o chefe de Estado de Cabo Verde contou a com a presença do Presidente da República de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,20 fev 2019 7:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  10 nov 2019 23:21

1

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.