​Primeiro-Ministro destaca importância dos transportes no desenvolvimento de África

PorFretson Rocha, Rádio Morabeza,15 abr 2019 15:03

Fernanda Vieira, Jorge Maurício, Augusto Neves, Florentine Koidio e Ulisses Correia e Silva
Fernanda Vieira, Jorge Maurício, Augusto Neves, Florentine Koidio e Ulisses Correia e Silva(Rádio Morabeza)

O primeiro-ministro reconhece que a conectividade aérea e marítima é determinante para a aceleração do processo de desenvolvimento de África. Sendo que o comércio internacional é fortemente dependente de boas conexões marítimas, Ulisses Correia e Silva diz que o cenário impõe a necessidade de serviços de transporte marítimos e portuários eficientes, seguros e competitivos.

O chefe do Governo aponta o desenvolvimento de soluções sustentáveis como um objectivo de todos os países insulares.

“Em Cabo verde conhecemos muito bem qual é a necessidade de bons transportes marítimos para unificar o mercado nacional, facilitar o escoamento de produtos, com previsibilidade, regularidade e complementar à oferta de transportes aéreos e ligar as ilhas com o mundo. É um desafio partilhado desenvolver soluções sustentáveis para países insulares e encravados. Do lado dos países insulares e arquipelágicos, como é o caso de Cabo Verde, o problema tem a ver com a fragmentação do mercado interno. Temos que ter portos e aeroportos em todas as ilhas”, diz.

Correia e Silva discursava esta manhã em São Vicente, durante o acto de abertura do Seminário Internacional da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central.

O Primeiro-Ministro diz que os custos da insularidade são elevados e devem ser levados em conta.

“Essas especificidades devem ser devidamente ponderadas na criação de mecanismos que diferenciem os pequenos países insulares e encravados no financiamento de apoio ao desenvolvimento, visando atingir os Objectivos do Desenvolvimento Sustentável”, defende.

Os corredores marítimos em ilhas e países continentais que têm litorais, e que têm zonas económicas exclusivas marítimas importantes, são recursos relevantes para o seu desenvolvimento. Neste sentido, Ulisses Correia e Silva chama a atenção para a necessidade de mais segurança.

“Necessidade de segurança de fazer face a ameaças derivadas de tráficos e crimes transnacionais que circulam ao longo dos oceanos. Cada vez mais é necessário garantir um elevado nível de cooperação para a segurança entre os países. Cabo Verde tem uma zona económica marítima da dimensão do Texas, duzentas vezes superior ao território terrestre, o que exige um esforço adicional de gestão, de fiscalização, de vigilância, quer do ponto de vista da protecção da economia, quer do ponto de vista da segurança”, sustenta.

O Seminário Internacional da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central começou hoje e termina quarta-feira em São Vicente, sob o tema “Os Portos da África Ocidental e Central e os países sem litoral: Que papel para o desenvolvimento de África?”.

O evento internacional, organizado pela ENAPOR, e focado na igualdade de género no sector marítimo e portuário, conta com representantes da Rede das Mulheres Profissionais Marítimas e Portuárias da África Ocidental e Central.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Fretson Rocha, Rádio Morabeza,15 abr 2019 15:03

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 set 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.