Cultura merece nota positiva

PorDulcina Mendes,31 dez 2017 6:46

O ano de 2017 já está a chegar ao fim e deixa, um rasto de muitos eventos tanto na área da literatura, música, teatro e cinema. As actividades realizadas anualmente continuaram e houve outras que aconteceram pela primeira vez como o Morabeza – Festa do Livro.

O Expresso das Ilhas saiu à rua para saber qual o balanço que as pessoas fazem da Cultura durante 2017 e qual a perspectiva para o ano 2018. A avaliação é positiva, com os nossos entrevistados a afirmarem que a Cultura este ano esteve muito bem.

Segundo o vereador da Câmara Municipal da Praia, António Lopes da Silva, este ano foi muito rico culturalmente e surpreendeu. Até porque a cidade da Praia passou a fazer parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO.

“A cidade da Praia foi classificada como a segunda cidade mais cool da África, fazemos parte da Rede de Cidades Criativas da UNESCO, na área da música. Isso dá-nos mais alento para trabalharmos e implica um programa muito mais forte durante quatro anos”, destacou.

O fotógrafo Zé Pereira faz uma avaliação positiva deste ano em termos de cultura pelas actividades e produções culturais desenvolvidas. “O ano de 2017 parece-me destacar-se dos anteriores nomeadamente em termos de produção literária. Basta vermos que só as editoras Rosa de Porcelana e a Livraria Pedro Cardoso editaram aproximadamente 30 obras”.

O dançarino e coreógrafo Bruno Amarante (Djam) caracterizou este ano como sendo de reformas, com algumas polémicas pelo meio. “Ainda falta arrumar a casa, em todos os lados: do lado dos produtores, das organizações-instituições competentes e dos fazedores e criadores. Penso que falta no fundo reconhecer que os colectivos deveriam dialogar mais com as estruturas responsáveis por esta pasta”.

Já para o artesão Gelson Monteiro, 2017 foi um ano que considera ‘normal’. “Fiz experiências com muitas pessoas, passei a conhecer muitas coisas. Não tenho que reclamar, o meu trabalho está a ser bem aceite no mercado, estou nessa área há quatro anos, ainda estou a gatinhar no mundo do artesanato”.


Actividades

Em termos de agenda cultural, António Lopes da Silva destaca que a edilidade praiense cumpriu todas as actividades que programou e realizou outros eventos que estavam fora do programa como a Green Night, uma noite especial para dar boas vindas aos participantes do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local, e o show do sambista brasileiro Dudu Nobre.

Mais ainda, “realizou-se o VII Encontro de Escritores da Língua Portuguesa. De resto realizamos todas as actividades que temos vindo a efectuar. Este ano na Noite Branca, o Plateau transformou-se num grande palco com milhares de pessoas. Estamos quase no fim do ano e vamos realizar a festa da virada de ano na zona da Kebra Canela com Djodje, Elida Almeida, Fidjus de Code di Dona, Primitive e alguns jovens da cidade”, sublinhou.

Ainda conforme António Lopes da Silva, este ano aconteceram outras actividades. “Na parte literária, aconteceu o Morabeza – Festa do Livro, e quase todas as semanas assistimos ao lançamento de livros. Tudo isto mostra que a Praia está a ganhar uma dinâmica cultural muito forte. Estamos a preparar-nos para termos um Carnaval cada vez melhor. Na área do teatro, este ano foi realizado o Festival Nacional de Teatro. Esteve aqui na Praia em articulação com o Centro Cultural Português a extensão do Mindelact com algumas peças de teatro. São áreas que ainda temos que trabalhar muito. O Festival Internacional de Cinema da Praia (Plateau) este ano teve uma adesão espectacular”.

Das actividades desenvol-vidas durante este ano, Zé Pereira destacou o Festival Internacional da Literatura realizado na ilha do Sal, o Festival Literário Morabeza Festa do Livro que aconteceu na cidade da Praia e ainda a Feira Nacional de Artesanato em São Vicente. “Para além desses eventos que já fazem parte da nossa agenda cultural anual como o Mindelact, o Festival de Cinema da Praia, o Festival de Cinema Oiá em São Vicente, o Kavala Fresk Feastival, as festas tradicionais e populares em cada uma das ilhas”.


Perspectivas para 2018

O edil praiense afirma que vão fechar o ano com chave de ouro e que no próximo ano, a Câmara da Praia irá realizar várias outras actividades culturais.

Para o próximo ano, o fotógrafo Zé Pereira espera que as coisas continuem na mesma linha, “com os eventos culturais cada vez com mais e melhor qualidade e nível de resultados, um percurso bastante satisfatório e de aprendizagem que daí resulta. Será sempre possível fazer melhor e acredito igualmente que assim irá acontecer. Continuaremos melhor a cada novo ano e seremos mais ricos culturalmente”.

Também o artesão Gelson Monteiro espera que no ano 2018 as coisas sejam ainda melhores e exorta: “Nós, os artesãos, precisamos valorizar os produtos naturais antes de comprarmos os produtos industrializados”.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 839 de 27 de Dezembro de 2017. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Dulcina Mendes,31 dez 2017 6:46

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  31 dez 2017 11:36

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.