Zâmbia torna-se o primeiro país africano em 'default' devido à pandemia

PorExpresso das Ilhas, Lusa,22 out 2020 7:18

A agência de notação financeira Standard & Poor's (S&P) colocou hoje em Incumprimento Financeiro ('default') a Zâmbia, que se torna assim o primeiro país africano a entrar em 'default' devido à pandemia de COVID-19.

"A 13 de outubro, o Governo da Zâmbia emitiu um comunicado segundo o qual disse que seria incapaz de fazer pagamentos relativamente às obrigações financeiras externas devido a pressões de liquidez que foram criadas pela pandemia", dizem os analistas da S&P na nota que acompanha a decisão de colocar o 'rating' do país em 'Default Seletivo'.

"A S&P desceu hoje o 'rating' do crédito soberano em moeda externa de longo e curto prazo para SD (Selective Default, no original em inglês) e, ao mesmo tempo, manteve o nível de CCC- para os ratings relativos às emissões de dívida em moeda local", anunciam os analistas da agência de notação financeira.

Com a decisão de colocar a Zâmbia em 'default', este país africano que faz fronteira com Angola e Moçambique torna-se o primeiro a entrar em incumprimento devido ao aumento da despesa pública para combater a pandemia de covid-19 e, simultaneamente, à descida do preço das matérias-primas e da procura mundial.

Na semana passada, o Governo falhou o pagamento de uma prestação de 42,5 milhões de dólares, cerca de 35 milhões de euros, relativa à emissão de mil milhões de dólares (843 milhões de euros) que vence em 2024, já depois de ter pedido aos credores privados para suspender os pagamentos durante seis meses, ou seja, uma reestruturação da dívida privada.

"A declaração de 13 de outubro [na qual afirmava que não iria pagar a prestação] segue-se a um anúncio anterior de solicitação de consentimento, na qual pedia efetivamente aos detentores de títulos de dívida que concordassem num congelamento dos pagamentos de dívida durante seis meses", escrevem os analistas, afirmando: "Vemos este pedido aos detentores de títulos de dívida como uma oferta problemática ao abrigo da nossa metodologia", que implica uma descida no 'rating' para 'default'.

A S&P antevê que a Zâmbia vá continuar em 'default' durante os próximos seis meses, período em que vai tentar completar uma reestruturação mais ampla, mas alerta que independentemente do resultado dessas negociações, "a qualidade de crédito geral é constrangida por fatores estruturais, incluindo pouca riqueza, grandes défices orçamentais e um elevado peso da dívida".

A S&P estima que a economia da Zâmbia tenha um crescimento negativo de 4% este ano, recuperando para uma expansão de 2% em 2021, e que o rácio da dívida pública face ao PIB suba de 85,9%, em 2019, para 106,1% este ano.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,22 out 2020 7:18

Editado porAndre Amaral  em  27 jul 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.