Saem os primeiros formados em comércio online

PorAdilson Pereira,14 mar 2018 6:49

Catorze formandos receberam, ontem, o certificado no domínio do e-commerce, cujo objectivo era dotar os jovens, empreendedores e executivos que já possuem formação de base, de ferramentas necessárias para iniciarem um negócio online.

“A formação sobre o comércio electrónico chegou num bom momento”, diz Jailson Pereira, recém-formado em e-commerce, estudante do quarto ano do curso de economia.

Jailson Pereira é dono de um projecto na área da agropecuária e pretende alargar o negócio para o domínio virtual. “É uma ferramenta que vai-nos servir principalmente para quem quer abrir um negócio tanto físico como online”, frisa.

Legislação, técnicas de vendas online, a questão da segurança do comércio electrónico foram algumas das matérias abordadas no curso. O formador Luzito Veiga faz um balanço positivo das duas semanas de formação.

Para Luzito, o e-commerce pode traduzir-se numa aposta de promoção da dinamização e desenvolvimento da economia do país. “É interessante que Cabo Verde esteja a pensar no comércio electrónico como alternativa”, aponta.

O recurso ao comércio electrónico representa uma vantagem, no entender de Luzito Veiga, num contexto de mercado pequeno e fragmentado como Cabo Verde. “Para sermos mais eficazes temos que vender para todas as ilhas e a forma muito mais fácil de vender para todas as ilhas é através do comércio electrónico”, enaltece.

Para o formador, a aposta na loja online torna-se ainda mais vantajosa para cobrir as ilhas onde o número de habitantes não justifica a abertura de uma loja física.

Mediante o negócio online, o empreendedorismo jovem pode ficar mais barato e acessível. “Jovem não tem dinheiro para investir no aluguer de um espaço, pagamento de luz, água, todos os compromissos que um negócio físico acarreta, enquanto o negócio online é muito mais barato”, diz Luzito Veiga.

O e-commerce processa-se no ambiente virtual, mas não deixa de necessitar de uma rede de transporte que funciona de uma forma eficiente para garantir o seu sucesso. Ainda o sector carece de regulação, mas o governo tem realizado encontros, fóruns e debates sobre a temática.

“Acredito que isso vai servir para averiguar até que ponto lhe interessa legislar sobre esta matéria. Quanto mais a sociedade interessar, quanto mais tivermos empreendedores online, mais gente a comprar online, mais razões vai ter para legislar”, defende Veiga.

A primeira formação na área do comércio electrónico foi ministrada para catorze formandos, durante duas semanas. A acção de formação foi organizada pela Associação Comercial, Agrícola, Industrial e de Serviços de Santiago, em parceria com a Câmara Municipal de Santa Cruz.

Pode saber mais na edição impressa do Expresso das Ilhas, esta quarta-feira nas bancas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Adilson Pereira,14 mar 2018 6:49

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  14 mar 2018 6:49

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.