Cientistas querem usar bombas nucleares para desviar asteróides

PorExpresso das Ilhas,17 abr 2021 16:02

Cientistas querem usar bombas para desviar asteróides que se aproximam perigosamente da Terra. Contudo, um novo estudo revelou que nem todas as bombas nucleares servem e é preciso escolher a correcta.

Uma colaboração entre o Laboratório Nacional Lawrence Livermore (LLNL) e o Instituto de Tecnologia da Força Aérea (AFIT) investigou como a produção de energia de neutrões da detonação de um dispositivo nuclear pode afectar a deflexão de um asteróide.

Os cientistas compararam a deflexão do asteróide resultante de duas fontes de energia de neutrões diferentes, representativas dos neutrões de fissão e fusão. O objectivo era entender que energias de neutrões libertadas de uma explosão nuclear são melhores para desviar um asteróide, preparando potencialmente o caminho para um desempenho de deflexão otimizado.

Segundo o líder do estudo, Lansing Horan IV, citado pelo zap.aeiou.pt, a equipa focou-se na radiação de neutrões de uma detonação nuclear, uma vez que os neutrões podem ser mais penetrantes do que os raios-X.

“Isso significa que a produção de neutrões pode potencialmente aquecer maiores quantidades de material da superfície do asteróide e, portanto, ser mais eficaz para desviar asteróides do que a produção de raios-X”, disse, em comunicado.

Neutrões de diferentes energias podem interagir com o mesmo material através de diferentes mecanismos de interação. Ao alterar a distribuição e a intensidade da energia depositada, a deflexão do asteróide resultante também pode ser afectada.

O estudo mostra que os perfis de deposição de energia – que mapeiam os locais espaciais na superfície curva do asteróide e abaixo dela, onde a energia é depositada em distribuições variadas – podem ser bastante diferentes entre as duas energias de neutrões comparadas.

Quando a energia depositada é distribuída de forma diferente no asteróide, os detritos de purga derretidos ou vaporizados podem mudar em quantidade e velocidade, o que determina a mudança de velocidade resultante do asteróide.

Segundo Horan, há duas opções para desviar um asteróide: ruptura ou deflexão. A primeira é a abordagem de transmitir tanta energia que o asteróide é fortemente partido em muitos fragmentos que se movem em velocidades extremas.

Já a deflexão é a abordagem mais suave, que envolve transmitir uma quantidade menor de energia ao asteróide, mantendo o objecto intacto e empurrando-o para uma órbita ligeiramente diferente com uma velocidade ligeiramente alterada.

“Com o tempo, muitos anos antes do impacto, até mesmo uma mudança minúscula na velocidade pode resultar numa distância que faltava à Terra”, disse Horan. “A deflexão geralmente pode ser preferida como a opção mais segura e ‘elegante’, se tivermos tempo de aviso suficiente para decretar esse tipo de resposta”.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1011 de 14 de Abril de 2021. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,17 abr 2021 16:02

Editado porSheilla Ribeiro  em  19 abr 2021 9:53

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.