Investigadores portugueses desenvolvem vacina comestível contra a COVID-19

PorExpresso das Ilhas, Lusa,12 nov 2021 8:58

Uma equipa de investigadores do Instituto Politécnico do Porto (IPP), em Portugal, decidiu produzir vacina comestível contra a covid-19, em formato de iogurte e sumo de frutos.

Esta ideia, que está a ser maturada desde o aparecimento da pandemia de covid-19, começou a ganhar forma há cerca de seis meses e, desde então, muito já foi feito.

Rúben Fernandes, responsável pelo Laboratório de Biotecnologia Médica e Industrial – LaBMI do IPP, realçou que estão a decorrer os ensaios `in vitro´, que vão ser testados em animais, tais como: ratos, peixes e uma espécie de minhoca muito pequena.

Referindo-se ao projecto da produção da vacina comestível, o biólogo explicou que esta vacina, que depois de finalizada poderá ser ingerida em iogurte ou sumo de frutas, tem como particularidade ter por base plantas de frutos e probióticos geneticamente modificados.

Rúben Fernandes adiantou que usando apenas probióticos esta vacina poderá ser uma realidade entre “seis meses a um ano” porque são bactérias que podem ser rapidamente transformadas.

Já utilizando os frutos, a sua concretização “será mais longa” porque as plantas têm de crescer e dar frutos para que possam ser utilizados na indústria e transformados em sumo, explica.

Realçando que a ideia desta vacina é que ela chegue facilmente ao utilizador final, demostrando as diferenças entre a vacina tradicional e a comestível.

“Portanto, ambos são produtos preventivos, mas neste caso a vacina, vou dizer convencional, neutraliza uma infecção e as vacinas comestíveis têm a propriedade de poderem potenciar as outras vacinas comuns”, aponta Rúben Fernandes.

O investigador disse que, a vacina comestível está a ser financiada exclusivamente com fundos próprios, porém vão numa fase final, ter de se unir a parceiros industriais da área alimentar para a fazer chegar ao consumidor final e ganhar escala.

“Vai ser a indústria que vai decidir que tipo de produto é que vai querer, nós vamos é poder oferecer-lhes várias opções”, sublinha.

Apesar de estar a ser direccionada para a covid-19, Rúben Fernandes acredita que a mesma poderá vir a ter interesse para tratar outros tipos de doenças infecciosas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,12 nov 2021 8:58

Editado porAndre Amaral  em  6 dez 2021 23:20

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.