Seis razões por que se deve evitar apanhar a variante Ómicron

PorExpresso das Ilhas,23 jan 2022 7:52

Apesar de o risco de hospitalização e doença grave ser menor com a variante Ómicron, propaga-se de forma rápida e pode ter consequências imprevistas, alertam os especialistas.

Apesar da rápida propagação, acredita-se que a Ómicron causa doença mais leve em comparação com variantes anteriores do coronavírus, o que alimenta a visão de que esta nova variante representa menos riscos do que no passado.

Perante este cenário, escreve o jornal Público, há quem se pergunte por que razão se deve prevenir a infecção agora, uma vez que todos serão expostos ao vírus mais cedo ou mais tarde. A Reuters apresenta as razões apontadas pelos especialistas, que dizem que agora não é a altura certa para se ser complacente com a Ómicron.

Ainda se pode ficar muito doente

Até agora, a ciência parece mostrar que uma infecção por Ómicron pode conduzir a um caso assintomático de covid-19 – mais do que acontecia com as variantes anteriores. Para aqueles que têm sintomas, uma proporção mais elevada tem doença muito leve, com sintomas como dor de garganta ou corrimento nasal, sem as dificuldades respiratórias típicas de infecções anteriores.

Mas a extraordinária propagação da Ómicron em muitos países significa que, em números absolutos, mais pessoas irão sofrer de doença grave. Em particular, os dados recentes vindos de Itália e Alemanha mostram que as pessoas que não estão vacinadas são muito mais vulneráveis, quando se trata de hospitalização, cuidados intensivos e morte.

Pode infectar outros

Pode ficar apenas ligeiramente doente, mas pode transmitir o vírus a outra pessoa em risco de doença grave, mesmo que tenha anticorpos de uma infecção anterior ou da vacinação, afirma Akiko Iwasaki, que estuda imunologia viral na Universidade de Yale.

Os efeitos a longo prazo da Ómicron são desconhecidos

As infecções com variantes anteriores – incluindo aquelas que produziam apenas sintomas de infecção ligeira ou casos de infecção após vacinação – causaram muitas vezes a chamada “covid longa”, com sintomas debilitantes e persistentes que se prolongam por muito tempo depois da infecção.

Há quebras no stock de medicamentos

Os tratamentos para a Ómicron são tão limitados que os médicos têm de os racionar. Dois dos três medicamentos de anticorpos utilizados durante as vagas anteriores da covid-19 são ineficazes contra esta variante. O terceiro, sotrovimab, da GlaxoSmithKline, tem stock limitado, tal como um novo tratamento antiviral oral chamado Paxlovid, da Pfizer, que parece ser eficaz contra a Ómicron. Se ficar doente, poderá não ter acesso a tratamentos.

Mais infecções significam variantes novas

A Ómicron é a quinta variante significativa do SARS-CoV-2 original e não se sabe se a capacidade do vírus de sofrer uma mutação ainda maior abrandará.

As altas taxas de infecção também dão ao vírus mais oportunidades de sofrer uma mutação, e não há garantias de que uma nova versão do coronavírus seja mais benigna do que as suas antecessoras. “O SARS-CoV-2 tem-nos surpreendido de muitas formas diferentes nos últimos dois anos e não temos forma de prever a trajectória evolutiva deste vírus”, afirma Ho.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1051 de 19 de Janeiro de 2022. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,23 jan 2022 7:52

Editado porA Redacção  em  23 jan 2022 7:52

pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.