Levar A'ptit a pedalar

PorExpresso das Ilhas,16 jul 2018 12:36

Logo da A'ptit
Logo da A'ptit

Da ilha do Sal, chega-nos A’Ptit. Uma micro-empresa do ramo da alimentação criada por uma jovem que viu no empreendedorismo a resposta ao súbito desemprego. Aliando a paixão pelo ciclismo à vontade de ajudar outras mulheres, Divânia Gomes está a abrir caminho com um negócio que sonha um dia vir a ser nacional.

Quando no final de Novembro de 2017 foi dispensada do seu trabalho de agente de reservas, a salense Divânia Gomes - formada em Gestão de Hotelaria - Restauração & Bebidas numa escola profissional em Portugal - lamentou profundamente o despedimento às vésperas do Natal. Mas não baixou os braços. Afinal, descreve-se como uma jovem mulher e mãe empreendedora, sonhadora e que não nega um desafio.

Pouco depois do infeliz acontecimento participou no concurso promovido pelo Startup Weekend Sal e a sua ideia de venda e distribuição de marmitas de refeições caseiras saiu vencedora.

“A partir daí agarrei-me ao desafio com todas as minhas forças, sempre pensando em como iria mudar a minha vida e a de todas as donas de casa em quem eu tinha projectado a ideia com o propósito de as empoderar, garantindo independência financeira e de decisão sobre suas finanças e suas vidas”, explica.

Esta componente social e solidária é um aspecto caro à jovem empreendedora que encara como combustível a ideia de permitir às mulheres com quem trabalha fazer economia e ter um recurso que lhes permita não estar completamente dependentes de terceiros.

“O nome “A’Ptit” “surgiu inspirado em uma mentora brasileira que é uma senhora que admiro muito; numa das muitas palestras dela que assisti, ter dito algo semelhante a “ o trabalhador já tem o almoço, e nos levamos apetite”. Adaptei o nome para o crioulo, para reforçar a minha nacionalidade”.

image

Os serviços oferecidos vão desde coffee breaks para eventos, delivery (entregas de compras e outros itens ao domicilio) e as marmitas, refeições caseiras entregues em recipientes conforme a escolha feita a partir do menú do dia, normalmente divulgado através das redes sociais.

Para já, conta com duas colaboradoras que confeccionam as refeições caseiras a um preço acessível, com a sua potente bicicleta, assegura a distribuição por toda a zona central de Espargos e também Preguiça. O horário de almoço é o pico.

“Eu angario os clientes pelo WhatsApp Business (ferramenta poderosa) através de um cardápio diário, recolho as marmitas e faço a distribuição de bicicleta e a pé”.

Como caracterizaria os clientes/consumidores da sua marca?

Primeiramente, é um cliente bastante actualizado: está em todas as plataformas digitais, é muito curioso, pesquisa muito antes de comprar, capaz de analisar o fornecedor (neste caso eu) e o produto, e ainda fazer uma avaliação como resposta. O consumidor acaba por ser um certificador de desempenho.

Quando pensa no futuro da A’ptit, o que gostaria de alcançar?

Opa…aqui vem a minha mania de pensar grande, e já consigo visualizar a A’ptit com vários produtos e serviços no mercado nacional. Mas o principal seria expandir a micro-franquia social de venda de marmitas caseiras pelas ilhas todas. Aqui sim, seria a realização de um sonho! Porque A’ptit é uma marca que está ligada directamente á Gastronomia, portanto existe um potencial a ser explorado.

Para tal, está aberta a parcerias. Diz, aliás, que pretende arranjar todas as que conseguir. E com as metas futuras em mente, Divânia participou recentemente no Bootcamp Empreendedorismo na Era Digital organizado pela Womenise.It em que foram passadas estratégias diversas para potenciar as marcas.

O outro objectivo, de ir assistir ao Kavala Fresk Feastival, não foi possível de concretizar este ano. “ Um dia chegaremos lá”, afirma com optimismo.

Os desafios são professores competentes. É assim que Divânia os encara e com eles tem aprendido desde o início desta caminhada. “O trilho será longo e difícil, mas estou disposta a ultrapassá-los”, afiança. E diz também ser hoje uma pessoa com mais responsabilidade social, que já não consegue pensar só em sí e na sua família, mas sim no todo “perspectivando colaborar para mudar o mundo”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,16 jul 2018 12:36

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  16 jul 2018 12:36

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.