É carnaval! Conheça a origem de personagens, música e costumes

PorExpresso das Ilhas,5 mar 2019 11:26

Carnaval na Idade Média
Carnaval na Idade Média

Terça-feira de carnaval. Dia de folia, alegria e muita animação. Mas como é que as coisas típicas do carnaval começaram? De onde vem isso de se fantasiar e usar máscaras? O samba foi sempre a música típica do carnaval brasileiro?

Fantasias

O uso de fantasias no Carnaval começou em Veneza, no século 15, quando ricos se fantasiavam e usavam máscaras, para se divertir junto ao povo, sem serem reconhecidos. No Brasil, o uso de fantasias data do início do século 20,quando elas ainda eram roupas simples, apenas adaptadas, tingidas e enfeitadas, bem diferente das fantasias usadas hoje em dia, pelos integrantes das escolas de samba.


Rei Momo

Na mitologia grega, Momo, que significa "reclamação", era uma das filhas da deusa Nix, a deusa da noite. Outras fontes apresentam Momo como um personagem mitológico que personificava a ironia e o sarcasmo. Já na Espanha Rei Momo começou a participar do Carnaval na forma de um boneco que era queimado durante a festa.

No Brasil, o Rei Momo surgiu em 1933, quando Edgard Pilar Drumond, também conhecido como Plamenta, cronista carnavalesco, em companhia do jornalista Vasco Lima e outros representantes do Jornal "A Noite", criaram um boneco de papelão a que deram o nome de Rei Momo I e Único, esculpido pelo artista Hipólito Colombo. Em 1934, o jornal resolveu personificar o boneco, e foi decidido que o candidato deveria ser alegre, falante e balofo. Foi então que surgiu o Rei Momo como é hoje.

Dossier Carnaval 2019 em Cabo Verde

O Vindos do Oriente tem tudo preparado para o assalto de Carnaval agendado para sábado à noite, em São Vicente. O bicampeão do Carnaval de Mindelo promete muito brilho, para ajudar no embelezamento da festa do Rei Momo, num ano em que abdicou de participar no concurso.


Máscaras

O uso das máscaras, no Carnaval, tem origem na cidade de Veneza, na Itália, no Século XVII. Os nobres usavam máscaras enfeitadas para manter o anonimato e aproveitar o Carnaval no meio do povo. Esta tradição foi levada ao Brasil pelos portugueses. Em Cabo Verde as primeiras manifestações de carnaval consistiam em pessoas usando máscaras – quase sempre feitas de papelão, pele de animais, etc – e roupas esfarrapadas que saiam pelas ruas a dançar e a assustar crianças.


Samba

Derivado de ritmos africanos, o samba era a música mais popular no Brasil quando os blocos e cordões dominavam as ruas no Carnaval. Esses blocos passaram a cantar sambas ao lado das tradicionais marchinhas, dando origem às escolas de samba e seus sambas-enredos, na década de 20.


Confetes e serpentinas

Os confetes apareceram pela primeira vez no Carnaval da Itália, na forma de confeitos de açúcar. Em 1851, em Nice, na França, surgiram os buquês de flores e os grãos, como feijão e grão-de-bico, cobertos ou não de açúcar e gesso. Apesar da delicadeza inicial, a brincadeira foi decaindo e, em meados de 1860, os foliões passaram a jogar laranjas, farinha, cinzas e outras coisas que aparecessem pela frente. Os confetes de açúcar foram utilizados também no Brasil nos primeiros bailes de máscaras, mas, com o tempo, foram substituídos por papel picado. Em 1892, em Paris, surgiram os confetes de papel em formato redondo, como temos hoje. Em 1893, também em Paris, surgiu a serpentina, para fazer companhia ao confete.


Pierrô, Arlequim e Colombina

São personagens de teatro que surgiram na Itália no século 16. Pierrô - que, em italiano, se chamava Pedrolino, até que foi batizado de Pierrot pelos franceses - amava Colombina, que amava Arlequim. A história desses personagens se passa durante o Carnaval e, segundo conta a história, mesmo longe de seu amado, Colombina espera reencontrar Arlequim nos Carnavais. Do teatro de rua foram incorporados ao Carnaval de Veneza. No Brasil, Pierrô, Arlequim e Colombina apareceram no começo do século 20, em fantasias usadas nos bailes de Carnaval.


Pandeiro

O instrumento de percussão baseado em uma pele esticada em um aro é usado pela humanidade desde a Idade da Pedra. Em diversas regiões do mundo, ele ganhou características particulares. Chegou ao Brasil como instrumento de acompanhamento do choro (género musical brasileiro), no final do século 19. A partir daí, foi adotado pelos samba e pelo Carnaval.



Fonte: UOL

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,5 mar 2019 11:26

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  25 nov 2019 23:21

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.