Ex-director do CIA critica "palhaçadas" de Donald Trump

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 jun 2018 7:29

John Brennan
John Brennan

O ex-director da CIA criticou hoje as "políticas proteccionistas" e as "palhaçadas" do presidente norte-americano, pedindo paciência aos "aliados e amigos" do país, depois de Donald Trump ter suspendido o acordo assinado horas antes na cimeira do G7.

"As suas equivocadas políticas protecionistas e as palhaçadas estão a pôr em causa a nossa posição no mundo, assim como os nossos interesses nacionais. A sua forma de ver o mundo não representa os ideais norte-americanos. Aos aliados e amigos: Sejam pacientes, o Sr. Trump é uma aberração temporária. A América, que em tempos conheceram, irá voltar", afirmou John Brennan, numa mensagem no Twitter em resposta a uma publicação de Trump, na qual insultava o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau. 

Poucas horas após abandonar a cimeira do grupo dos países mais industrializados do mundo (conhecido como G7), que se realizou este fim de semana no Canadá, Donald Trump dissociou-se do comunicado final da cimeira, chamando ao primeiro-ministro do Canadá, país anfitrião da reunião, de "desonesto e fraco" por ter classificado como insultuosas as taxas alfandegárias norte-americanas. 

Na sua mensagem no Twitter, o presidente norte-americano acusou Justin Trudeau de agir "de forma mansa e suave" durante a cimeira do grupo dos sete países mais industrializados do mundo mas depois ter criticado as taxas que a administração norte-americana impôs sobre as importações de aço e o alumínio. 

"O primeiro ministro Trudeau agiu de forma tão mansa e suave durante a cimeira do G7, para depois dar uma conferência de imprensa, depois de eu abandonar a cimeira, dizendo que "as taxas norte-americanas eram uma espécie de insulto" e que ele "não seria ameaçado. Muito desonesto e fraco. As nossas taxas alfandegárias são uma resposta às suas de 270%" sobre os produtos lácteos, escreveu Donald Trump no Twitter. 

Entretanto, a Alemanha já veio acusar hoje o Presidente norte-americano de "destruir" uma grande parte da confiança entre os Estados Unidos e a Europa, ao remover, com um 'tweet', o apoio ao acordo final da cimeira de G7, no Canadá. 

Também a presidência francesa defendeu, em comunicado, que "a cooperação internacional não pode depender de raiva ou palavras", lamentando a "incoerência" e "inconsistência" do chefe de Estado norte-americano sobre o comunicado final da cimeira do G7. 

Apesar de persistir a disputa sobre taxas alfandegárias com os Estados Unidos, os países conseguiram assinar um "texto comum" depois de dois dias de cimeira em La Malbaie, na província canadiana do Quebeque. 

Apenas as questões ambientais não contaram com a assinatura do Presidente norte-americano. A Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão e Reino Unido são os países que compõem o G7. 

Hoje, o Presidente norte-americano também foi alvo de críticas por parte do ex-director do FBI, James Comey, que foi despedido no ano passado por Trump depois de ter investigado as relações entre os russos e a sua campanha eleitoral. 

"A nossa relação em assuntos de segurança nacional com o Canadá é vital e salva vidas norte-americanas. Construiu-se ao longo de gerações e é maior do que qualquer pessoa ou disputa. Tudo isso será deixado para trás", afirmou Comey no Twitter. 

A relação entre os dois países da América do Norte atravessa uma crise desde que a Casa Branca decidiu impor novas taxas às importações de aço e alumínio vindos do Canadá. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 jun 2018 7:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  17 nov 2018 3:23

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.