Atiradores matam seis pessoas durante missa católica em Burkina Faso

PorExpresso das Ilhas,13 mai 2019 8:17

Atacantes abriram fogo quando a congregação fugiu e de seguida incendiaram a igreja, lojas e um café em Dablo.

Fontes de segurança e autoridades locais informaram que os homens armados mataram ontem, Domingo, um padre e cinco fiéis durante uma missa, num ataque a uma igreja católica no Burkina Faso.

"Às 9h, durante a missa, indivíduos armados invadiram a igreja católica", disse à France Presse o prefeito da cidade de Dablo, Ousmane Zongo."Eles começaram a atirar quando a congregação tentou fugir."

Fonte da segurança disse que os atacantes eram de 20 a 30 homens e que terão enganado alguns dos fiéis. “Eles mataram cinco deles. O padre, que celebrava a missa, também foi morto ”, disse Zongo.

Os homens armados incendiaram a igreja, várias lojas e um pequeno café antes de se dirigirem ao centro de saúde local, que saquearam, queimando o veículo da enfermeira chefe.

"Há uma atmosfera de pânico na cidade", relatou ainda Zongo France Presse à Agence France Presse.

“As pessoas estão escondidas em suas casas. As lojas estão fechadas. É praticamente uma cidade fantasma ”, acrescentou.

De Barsalogho, a cerca de 45 quilómetros ao sul de Dablo, foram enviados reforços para as forças de segurança que vasculharam a área.

O ataque ocorreu dois dias depois de forças especiais francesas terem libertado quatro reféns estrangeiros no norte do país numa operação que custou a vida de dois soldados.

A operação foi ordenada para libertar os reféns franceses Patrick Picque e Laurent Lassimouillas, que desapareceram durante as férias no remoto parque nacional Pendjari, no Benim, a 1 de Maio.

A equipe também encontrou em cativeiro duas mulheres , uma americana e uma sul-coreana.

Burkina Faso vem sofrendo ataques cada vez mais freqüentes e mortais atribuídos a vários grupos jihadistas, incluindo o grupo Ansarul Islam, o Grupo de Apoio ao Islã e aos Muçulmanos (GSIM) e o Estado Islâmico no Grande Saara.

Quase 400 pessoas foram mortas desde 2015 - principalmente em ataques rápidos -, de acordo com um relatório da AFP. Grupos jihadistas têm por alvo clérigos muçulmanos e cristãos, principalmente no norte.

A França, ex-potência colonial,  enviou recentemente cerca de 4.500 soldados para o Mali, Burkina Faso, Níger e Chade  numa missão denominada "Barkhane" para ajudar as forças locais a expulsar grupos jihadistas.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,13 mai 2019 8:17

Editado porChissana Magalhães  em  13 mai 2019 8:17

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.