Programas dos governos africanos tiveram um impacto negativo na media

PorExpresso das Ilhas,16 jun 2020 8:15

Uma pesquisa realizada entre os membros da Federação Africana de Jornalistas (FAJ) mostra que os programas dos governos africanos para responder ao impacto económico da pandemia tiveram um impacto "negativo" no sector dos media e careceram de apoio adequado aos jornalistas.

A pesquisa foi realizada por 20 sindicatos, correspondentes a 57% dos afiliados da FAJ na África.

A FAJ informou nesta segunda-feira, através de um comunicado, que os sindicatos apontam, em particular, medidas de quarentena que impediram os jornalistas de fazer seu trabalho por não entenderem a realidade da profissão.

Como exemplo a mesma fonte cita que o FESYTRAC do Congo Brazzaville disse que "a COVID-19 teve um impacto negativo no sector de media, pois liberdades fundamentais, direito ao trabalho, livre circulação de pessoas e bens foram restringidos pelo estado de emergência sanitária, toque de recolher e confinamento da população ".

O relatório mostra que os governos trataram os jornalistas como cidadãos comuns, “sem reconhecer suas necessidades profissionais”.

“Na Somália, por exemplo, o NUSOJ teve de construir uma campanha completa para convencer o Governo Federal da Somália a considerar os jornalistas como trabalhadores-chave. Da mesma forma, no Marrocos, o SNPM organizou uma forte acção de lobby em favor dos relatórios de interesse público sobre o coronavírus”, lê-se.

Segundo a FAJ, os entrevistados condenaram a inércia dos governos no apoio aos trabalhadores da media. Mais de 50% disseram que seu governo não havia empreendido nenhum esforço específico para aliviar o impacto físico do vírus nos locais de trabalho da media.

75% dos entrevistados da FAJ, disseram que as diretrizes dos governos sobre distanciamento social resultaram em uma grande revisão das condições físicas de trabalho dos jornalistas, desde a redução da presença física de jornalistas nas redacções, até o aumento do teletrabalho, a mudança de ferramentas para a realização de entrevistas e o uso de equipamento de protecção.

“O Sudão do Sul foi o único país em que o sindicato de jornalistas, UJOSS, sustentou que o governo não seguiu as regras e ordens da OMS sobre a COVID-19 e que seu único conselho aos cidadãos era cuidar de si mesmos sem medidas de quarentena apropriadas, resultando em falta de consciência da pandemia”, refere.

Assim, a FAJ noticia que apenas 20% dos governos abordaram especificamente a crise da media. Na Costa do Marfim, as autoridades anunciaram um fundo de apoio cujos detalhes permanecem desconhecidos.

No Senegal, prossegue, o governo dobrou a ajuda à imprensa de 700 milhões de francos CFA para 1,4 bilhão e anunciou um Fundo Especial para apoiar as empresas e o sector de media. No Togo, o governo aumentou em 50% a ajuda à imprensa de 100 francos CFA para 150 milhões, destinada a 180 órgãos da imprensa, oito estações de televisão e 56 estações de rádio.

O relatório alerta que os jornalistas não se beneficiaram dessa ajuda, excepto em Moçambique e Angola, onde os decretos executivos garantem que jornalistas e trabalhadores da media não percam seus empregos.

De acordo com a mesma fonte, uma ampla gama de editoras e agências de notícias de grande e médio porte começaram a implementar planos de economia de custos que consistem em licença remunerada e não remunerada para um número significativo de funcionários e salários reduzidos para outros.

Em quase todos os países, jornalistas freelancers foram deixados de fora de todas as negociações e planos, diz o relatório.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,16 jun 2020 8:15

Editado porSara Almeida  em  16 jun 2020 17:43

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.