Escolha de Biden para o Pentágono cria desconforto entre os democratas

PorExpresso das Ilhas, Lusa,10 dez 2020 7:56

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, oficializou esta quarta-feira a sua escolha de Lloyd Austin para liderar o Pentágono, uma nomeação que causou desconforto entre os democratas no Congresso, por não cumprir os requisitos legais.

A nomeação do general aposentado Lloyd Austin é histórica, porque seria o primeiro secretário da Defesa afro-americano nos Estados Unidos, como é controversa, e o partido de Biden não a recebeu com o entusiasmo que o Presidente eleito esperava.

"Ele é a pessoa certa para o trabalho, na altura certa", disse Biden na cerimónia de nomeação formal de Austin, em Wilmington, Delaware.

No centro da controvérsia está uma lei americana criada em 1947 e emendada em 2008, que exige que um antigo oficial militar deve ter estado reformado durante mais de sete anos para poder ser secretário da Defesa.

Austin, de 67 anos, só é civil há quatro anos, por isso, para se juntar à Administração de Biden, precisa não só da aprovação do Senado mas também de uma renúncia de ambas as casas do Congresso para contornar a lei.

"Não pediria esta excepção se não acreditasse que este momento na história o exige", salientou o presidente eleito.

Desde a adoção desta regra, em 1947, apenas duas excepções foram aprovadas: a primeira em 1950, para George Marshall, que tinha acabado de implementar o seu plano para reconstruir a Europa, e a segunda para Jim Mattis, em 2016.

Tanto Biden como Austin expressaram o seu respeito pelo princípio de que o Pentágono deve ser dirigido por civis, enquanto os Chefes do Estado-Maior Conjunto são compostos por pessoal militar que também aconselha o presidente.

"Chego a este papel como líder civil, claro que com experiência militar, mas também com um profundo apreço e reverência pela sabedoria de que as nossas Forças Armadas devem ser controladas por civis", disse Austin.

A senadora democrata Tammy Duckworth, membro da Comissão dos Serviços Armados do Senado, informou esta quarta-feira que não apoiará a exceção para Austin.

Pelo menos três outros senadores democratas, Elizabeth Warren, Richard Blumenthal e Jon Tester, também expressaram a sua recusa em apoiar uma exceção para o nomeado de Biden, argumentando que também não o fizeram para Mattis e que não seria consistente mudar agora a sua posição.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,10 dez 2020 7:56

Editado porAndre Amaral  em  11 dez 2020 7:18

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.