Sucessor de Merkel terá o "fardo" de substituir alguém "insubstituível"

PorExpresso das Ilhas, Lusa,30 mai 2021 8:50

A sucessão de Angela Merkel à frente da Alemanha é um desafio quase impossível para os políticos alemães, consideram portugueses que vivem na Alemanha, que consideram a ainda chanceler uma figura insubstituível.

Angela Merkel "foi uma grande chanceler. Vai ser muito difícil substituí-la, não há ninguém que se aproxime. Dos candidatos à corrida, não votaria em nenhum", disse à Lusa a enfermeira Sónia Sequeira, a trabalhar na cidade alemã de Cuxhaven, comentando as próximas eleições legislativas de 26 de Setembro.

O analista político português, Gonçalo Gomes, concorda com Sónia Sequeira. A viver em Berlim, considera que o sucessor terá "o difícil fardo de substituir alguém que é considerado quase insubstituível" na história recente do país.

"Não existem pessoas consensuais, mas a Angela Merkel é o mais consensual que pode haver em política. Foi a primeira mulher, primeira cientista e a mais nova chanceler da Alemanha, mas nunca fez disso bandeira. Aliás, é interessante pensar que alguém que nunca se esforçou para ser popular, acaba por atingir este nível de admiração, não só na Alemanha, mas a nível europeu e mundial", salientou Gonçalo Gomes, em declarações à Lusa.

"O começo foi atribulado, com uma fraca prestação em termos de resultados eleitorais e uma coligação que não inspirava confiança a muita gente relativamente à sua durabilidade. Mas a verdade é que Merkel se tornou a pessoa que a esquerda, pelo seu humanismo, e a direita, pela sua honestidade e rigor, passaram a admirar", continuou.

A "baixa expectativa" que caiu sobre Merkel quando começou a governar, não valerá para o seu sucessor ou sucessora, considera o analista político português, apontando os três principais candidatos à corrida, Annalena Baerbock, dos Verdes, Armin Laschet, da União democrata-cristã (CDU), e Olaf Scholz do Partido Social-democrata alemão (SPD).

"O próximo chanceler terá grandes desafios, a começar por uma Alemanha pós-corona que terá que voltar à normalidade e uma economia que precisa de um plano ambicioso, para além do potencial crescimento da extrema-direita, que se manteve moderado durante a governação de Merkel", revelou.

Gonçalo Gomes salienta "três momentos chave" nos 16 anos de governação Merkel: a crise financeira que colocou em causa o Euro, a abertura aos refugiados e o processo do 'Brexit', em que a Alemanha assumiu a liderança do bloco europeu.

Pela resposta a esses momentos de tensão, os alemães alcunharam Merkel de "Mutti" (mamã): "As mães não se esquecem e Merkel nunca será esquecida pelos alemães".

No último ano, a ação do governo tem sido penalizada pela estratégia de combate à Covid-19, admite Sónia Sequeira, que exerce enfermagem há 27 anos no país.

"O governo falhou em certas coisas. Não culpo a senhora Merkel individualmente, bem pelo contrário, acho que ela queria ter feito mais e acabou por ser travada pelos ministros-presidentes dos estados federados, mas funcionou", partilhou com a agência Lusa a enfermeira portuguesa.

A burocracia "atrapalha muitas vezes", e a vacinação tem sido turbulenta, disse admitindo que "em Portugal as coisas funcionaram melhor que aqui".

Por outro lado, a falta de pessoal de saúde não é um problema de agora, explica Sónia Sequeira, mas tem vindo a agravar-se nos últimos meses.

"Temos tido mais trabalho, eu e os enfermeiros e enfermeiras de outros serviços, porque tivemos de fechar alguns para dedicá-los exclusivamente à covid-19", recordou, embora separando a atual chanceler desses problemas de gestão quotidiana.

"Acho que a 'Frau' Merkel não será lembrada pelas suas políticas na área da saúde. Por outros assuntos sim", resumiu.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,30 mai 2021 8:50

Editado porAndre Amaral  em  26 nov 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.