Parlamentos lusófonos defendem maior cooperação entre membros da CPLP

PorExpresso das Ilhas,6 dez 2017 12:48

Os parlamentos lusófonos defendem uma maior cooperação entre os Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a necessidade de envolver os observadores associados, o sector privado e outras organizações internacionais

Os parlamentos lusófonos defendem uma maior cooperação entre os Estados-membros da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e a necessidade de envolver os observadores associados, o sector privado e outras organizações internacionais

 

A posição consta da declaração final da VII Assembleia Parlamentar da CPLP (AP-CPLP), que decorreu na segunda e terça-feira em Lisboa, sob o lema 'O reforço dos laços institucionais entre os parlamentos'.

"Os parlamentares recordaram a necessidade de aprofundar a cooperação entre os Estados-membros, pilar estratégico da CPLP, fundamental para a afirmação da identidade da organização e o reforço dos laços comunitários, culturais, sociais, económicos e políticos, aproveitando as boas práticas e as experiências de sucesso no contexto da cooperação bilateral e trabalhando de forma estruturada no quadro multilateral", lê-se no comunicado final da reunião.

Os deputados dos nove países lusófonos sublinharam ainda a necessidade de "envolver novos atores na cooperação, designadamente os observadores associados, o sector privado e outras organizações internacionais, potenciando a partilha de projectos e programas de desenvolvimento estratégico de interesse comum".

Por outro lado, apontaram a "importância decisiva da valorização e promoção da língua portuguesa como elo comum entre a comunidade dos países-membros da CPLP e factor de afirmação internacional da lusofonia".

"A AP-CPLP mandatou a sua futura presidência [que será exercida por São Tomé e Príncipe] a acompanhar, de modo especialmente atento, o compromisso estabelecido pela nova presidência da União Interparlamentar de assegurar a língua portuguesa como língua oficial de trabalho a todos os níveis dos seus órgãos e comissões", acrescenta a declaração final.

O documento não faz referência ao ensino do português na Guiné Equatorial, o mais recente membro da CPLP, que adoptou a língua como oficial em 2014, comprometendo-se a difundir o seu uso entre a população.

Durante a reunião, os parlamentares acordaram preparar um regulamento para permitir a adesão dos países observadores associados à Assembleia Parlamentar. Actualmente, a CPLP tem dez observadores associados: Geórgia, Hungria, Turquia, Maurícia, Uruguai, Japão, Eslováquia, República Checa, Namíbia e Senegal.

Na sua resolução final, a Assembleia Parlamentar transmite a sua solidariedade para com "o povo português, em geral, e em particular com os familiares das vítimas da catástrofe dos incêndios que ocorreram nos meses de Junho e Outubro", e que causaram 110 mortos.

Este órgão reconheceu "o imenso desafio e a enorme responsabilidade que representa a situação de milhares de refugiados e migrantes em todo o mundo, em condição extrema de insegurança humana" e os seus membros comprometeram-se com iniciativas para promover, nos respectivos contextos regionais, uma migração "regular e segura".

"A Assembleia Parlamentar da CPLP repudiou e condenou, sem reservas, os actos de crueldade e de graves violações dos direitos humanos perpetrados contra os migrantes provenientes da Líbia e países da África subsaariana e que se traduzem num ultraje à consciência da humanidade", refere ainda a posição final.

 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,6 dez 2017 12:48

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  7 dez 2017 14:31

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site