O atleta e o ativismo social

PorLeonardo Cunha,1 jul 2022 9:28

Esta semana, a Conferência dos Oceanos das Nações Unidas, coorganizada pelos governos de Portugal e do Quénia, acontece num momento em que o mundo enceta esforços para mobilizar, criar e promover soluções que permitam alcançar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável antes de 2030. Como parte das primeiras fases da Década de Ação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, recentemente lançada pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, a Conferência vai promover uma série de soluções inovadoras de base científica, destinadas a lançar um novo capítulo na ação global para os oceanos.

Foi com grande satisfação que soube da participação do ex-atleta Nuno Dias (Karaté) no evento da Conferência dos Oceanos. O Nuno é um Eco-Atleta e participa regularmente na revista Legacy (da sportsembassy) sobre o tema do combate às alterações climáticas. Recentemente, habituámo-nos a ver atletas a utilizarem as suas posições de grande relevo para chamar a atenção para toda uma série de questões, que vão desde o racismo à injustiça social até às mensagens antiguerra. Quer seja através de colocar um joelho em terra, mensagens em t-shirts, agitar bandeiras ou usar oportunidades de entrevista para falar, o ativismo dos atletas tem vindo a aumentar há vários anos.

O desporto voltou a estar na vanguarda dos protestos nos Estados Unidos. depois de o Supremo Tribunal, na semana passada, ter decidido que os americanos já não têm direito constitucional ao aborto. O timing do anúncio parecia especialmente comovente, uma vez que coincidiu com o 50º aniversário do título IX, a legislação de referência aprovada para criar e impor igualdade de oportunidades no desporto para as mulheres.

Billie Jean King, 12 vezes campeã de ténis do Grand Slam e ativista dos direitos das mulheres de longa data, falou para muitos quando lhe chamou "um dia triste nos EUA". Atletas e outras figuras do desporto feminino também recorreram às redes sociais para partilhar o seu descontentamento com a decisão. Exemplo disso foi a ex-capitã de futebol feminino dos EUA Megan Rapinoe falou longamente sobre a controversa decisão enquanto se preparava para o amigável internacional da sua equipa contra a Colômbia.

Mas as manifestações não se sentiram apenas da parte das mulheres atletas para este caso. Muitos atletas masculinos, incluindo LeBron James, retweetaram o que o ex-Presidente dos EUA Barack Obama escreveu: "O Supremo Tribunal não só inverteu quase 50 anos de precedente, como relegou a decisão mais intensamente pessoal que alguém pode tomar aos caprichos dos políticos como uma ideologia."

O reconhecimento de que os atletas têm o direito de se manifestarem chegará a um marco importante nos Jogos da Commonwealth do próximo mês, quando os concorrentes serão autorizados a protestar e a fazer gestos relacionados com as causas da justiça social.

Nos Jogos Olímpicos de Tóquio, no ano passado, as regras de protesto foram descontraídas, permitindo que os concorrentes fizessem declarações e expressões políticas, desde que as suas ações não perturbassem o evento. Os receios de que todos os eventos devam cair em atletas que protestam sobre algum assunto revelaram-se infundados.

Cada vez mais a manifestação dos atletas em causas sociais é mais preponderante. O seu papel começa a ter um grande relevo quando usam a sua notoriedade para se posicionarem à volta das suas crenças de uma sociedade pacifica cada vez mais justa e igualitária.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,1 jul 2022 9:28

Editado porAndre Amaral  em  2 jul 2022 9:01

pub.
pub.
pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.