Netanyahu diz que Lula cruzou “linha vermelha” após comparações com Holocausto

PorExpresso das Ilhas, Lusa,18 fev 2024 17:37

O governante descreveu as palavras de Lula da Silva como “vergonhosas e sérias”
O governante descreveu as palavras de Lula da Silva como “vergonhosas e sérias”

“Israel luta pela sua defesa e para garantir o seu futuro até à vitória, e fá-lo respeitando o direito internacional”, afirmou o primeiro-ministro israelita, citado em comunicado.

Benjamin Netanyahu considerou hoje que “comparar Israel ao Holocausto nazi e a Hitler é cruzar uma linha vermelha”, após o Presidente brasileiro ter comparado as acções de Israel em Gaza com o extermínio de judeus no século XX.

O governante descreveu as palavras de Lula da Silva como “vergonhosas e sérias” e argumentou que procuram “banalizar o Holocausto” e “o direito de Israel de se defender”.

O chefe de Estado do Brasil comparou, em Adis Abeba, na cimeira da União Africana (UA), as operações militares israelitas com o Holocausto, acusando Israel de genocídio.

“O que está a acontecer na Faixa de Gaza não é uma guerra, é um genocídio. O que está a acontecer na Faixa de Gaza com o povo palestiniano (…) já aconteceu quando Hitler decidiu matar os judeus”, afirmou Lula da Silva.

O ministro dos Negócios Estrangeiros israelita, Israel Katz, também convocou o embaixador do Brasil no país, Frederico Meyer, para uma reunião na segunda-feira.

“Os comentários do Presidente brasileiro são vergonhosos e graves”, escreveu na rede social X (antigo Twitter) Israel Katz.

Por seu turno, o ministro da Defesa israelita, Yoav Gallant, criticou Lula da Silva, na rede social X, por apoiar “uma organização terrorista – o Hamas, e, ao fazê-lo, envergonhar o seu povo”.

As duas maiores entidades israelitas no Brasil juntaram-se à condenação de Lula pelo Governo de Benjamin Netanyahu, considerando "extrema e desequilibrada" a posição expressa pelo Presidente brasileiro.

“O Governo brasileiro está a adoptar uma posição extrema e desequilibrada em relação ao trágico conflito no Médio Oriente, abandonando a tradição de equilíbrio e procura de diálogo na política externa”, afirmou a Confederação Israelita do Brasil, em comunicado emitido hoje.

A Federação Israelita do Estado de São Paulo, que reúne a maior parte da comunidade judaica no Brasil, também emitiu uma declaração, na qual afirma que "comparar a defesa legítima do Estado de Israel contra um grupo terrorista [...] com a indústria da morte de Hitler é de uma maldade infinita”.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,18 fev 2024 17:37

Editado porJorge Montezinho  em  22 jul 2024 23:28

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.