O rastreio da origem da Covid-19 é uma questão científica e não deve ser manipulado pela política

A partir de 2 de julho, no quadro de Programa de Vacinação contra a Covid-19 do governo cabo-verdiano, os chineses residentes aqui em Cabo Verde tomaram sucessivamente vacinas de Covid-19. Até agora, centenas de pessoas completaram duas doses de injeção.

Na qualidade de embaixador da China em Cabo Verde, gostaria de expressar os meus sinceros agradecimentos às autoridades competentes do governo cabo-verdiano pela conveniência e assistência prestada à vacinação da comunidade chinesa no país.

Enquanto o mundo ainda enfrenta a pandemia de Covid-19, para toda a humanidade, a comunidade internacional não pode superar este desafio se não por cooperação estreita. Como o primeiro país do mundo a relatar casos da Covid-19, a China tem participado ativamente da cooperação anti-epidémica global, incluindo convidando especialistas da Organização Mundial da Saúde(OMS) duas vezes para a China para fazer investigação da origem do vírus. Em março deste ano, a OMS divulgou oficialmente o relatório conjunto China-OMS de estudos sobre as origens da Covid-19, que concluiu cientificamente que “vazamentos de laboratório são extremamente improváveis”, propôs “busca de possíveis casos iniciais em escala global”, e pesquisa “a possibilidade de transmissão de vírus por cadeia de frio” e outras recomendações importantes. Este relatório é um consenso científico alcançado pelo grupo de especialistas da OMS, e deve ser respeitado e implementado por todas as partes.

No entanto, o rastreio da origem do coronavírus também enfrenta sérias interferências da manipulação política. Recentemente, mais de 70 países através de enviarem cartas ao Diretor-Geral da OMS, fazerem declarações ou comunicados têm manifestado apoios ao Relatório de Estudo Conjunto acima mencionado e objecções à politização do rastreio da origem da Covid-19. Mais de 300 partidos políticos, organizações sociais e Think Tanks em mais de 100 países e regiões enviaram uma "Declaração Conjunta" ao Secretariado da OMS, conclamando a OMS a conduzir pesquisas sobre o rastreio da origem de maneira objetiva e justa e se opor firmemente à politização de rastreabilidade.

No dia 13 de agosto de 2021, o Vice-Ministro das Relações Exteriores da China, Ma Zhaoxu, presidiu uma reunião informativa sobre o rastreio da origem da Covid-19. Realizada online e offline, a reunião contou com a presença de mais de 160 chefes de missões diplomáticas e representantes de organizações internacionais na China. O Vice-Ministro reiterou a posição da China sobre a questão de rastreio da origem da pandemia da seguinte forma:

Em primeiro lugar, rastrear as origens do coronavírus é uma questão científica e apenas os cientistas estão qualificados para conduzir estudos para identificar a origem animal do vírus e sua via de transmissão para a população humana. Nenhum país tem o direito de permanecer indiferente às vidas, politizar essa questão científica, ou caluniar e atacar outros países apenas por seus interesses políticos egoístas. Em segundo lugar, o relatório conjunto China-OMS tirou conclusões e sugestões amplamente reconhecidas pela comunidade internacional e pelo setor científico, que devem ser respeitadas e implementadas pela OMS e todas as partes relevantes. O trabalho posterior de rastrear globalmente as origens do vírus deve e só pode ser feito com base nisso, em vez de começar tudo de novo. Terceiro, a China sempre apoia e continuará a participar de estudos científicos sobre as origens do vírus. O que rejeitamos é o rastreamento politizado, sem respeitar a resolução da Assembleia Mundial da Saúde, e que desfaz o relatório conjunto China-OMS. Quarto, o Secretariado da OMS deve observar as disposições da resolução da Assembleia Mundial da Saúde, consultar plenamente os países membros sobre o plano de trabalho para rastreamento global e mecanismos subsequentes e respeitar plenamente seus pontos de vista. Em particular, deve consultar o país em questão para chegar a acordo sobre um plano de estudo e realizar uma cooperação eficaz nesta base.

Ma Zhaoxu enfatizou que como outros países, a China também é vítima da pandemia e quer descobrir as origens do vírus e cortar as vias de transmissão o mais rápido possível. Dada a propagação contínua e repetidos surtos do vírus, a prioridade continua sendo uma distribuição mais equitativa de vacinas e cooperação solidária contra o vírus. Devemos ter uma abordagem científica para cooperar no rastreamento das origens e rejeitar categoricamente a politização. A China está pronta para continuar trabalhando junto com outras partes para desenvolver ativamente o rastreamento global com base na ciência e fornecer contribuições chinesas para a vitória final da humanidade contra a pandemia.

Desde o surto da epidemia da Covid-19 em Cabo Verde no ano passado, tenho mantido os cargos na embaixada com os meus colegas e trabalhado arduamente para promover a cooperação anti-pandémica entre a China e Cabo Verde. Cabo Verde participa activamente na cooperação internacional, e a sua Campanha de Vacinação tem sido implementada de forma progressiva com progresso positivo. Esse progresso não pode ser alcançado sem o apoio e a cooperação de parceiros de vários países, incluindo a China. Isso comprovou mais uma vez que, enquanto o mundo ainda enfrenta a pandemia, trabalhar juntos é o caminho para a vitória, e a manipulação política é um beco sem saída. Cada vez mais amigos cabo-verdianos me dizem que é errada a politização e a discriminação na pandemia. O rastreio é um problema de saúde pública e científico, relacionado à saúde das pessoas e à recuperação económica,requer a solidariedade e cooperação de todos os países e uma solução coordenada, e não deve ser interferido por fatores políticos. Politização de rastreio da origem nem ajudará os países a combater a pandemia juntos, só criará divisões.

Acreditamos que o rastreio da origem da Covid-19 é uma questão científica, e somente eliminando a interferência política e a manipulação política poderemos dar as devidas contribuições à causa comum da luta global contra a pandemia da Covid-19.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:EMBAIXADOR DA CHINA EM CABO VERDE, DU XIAOCONG,25 ago 2021 16:44

Editado porExpresso das Ilhas  em  26 ago 2021 10:27

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.