Recomendação para ouvir: Sara Alhinho – escolheu o seu “ton” e voou…

PorPaulo Lobo Linhares,22 abr 2018 13:13

​Apetecia-me começar o texto de outra forma, mas o que insistentemente me definia o que vi no Auditório da Promotora foi: como Sara Alhinho cresceu!

Foi magnífico vê-la, a Sara que mantém a doçura do sorriso, mas as expressões, os olhares trocados com o público quando a ele se dirigia, e principalmente com os músicos, eram fortes e marcados.

Logo à entrada surpreendeu. Transformou a plateia do auditório no tapete que atravessou calmamente, até chegar ao palco. E desde aí começou o espectáculo, muito segura de si, mostrando ao público que o palco era dela e que trazia muito para partilhar.

As letras espelhavam isso. Mais fortes, abordavam temas que ora brincavam, ora falavam destas-coisas-mais-sérias como as emoções. Contudo, conseguiu ligar todos os temas como mesmo desenho musical, o mesmo “tom”…o tal “Ton di Petu”.

E na verdade, tudo o que Sara cantou, vinha da caixinha que tinha (…e que sempre teve) bem guardada no peito.

Em palco, dois convidados de excelência: Remna Shwarz que reparte o tema “sem Norte” em vozes/cânticos que só ele sabe, e a poderosa capacidade da traficante de palavras – Vera Cruz e a sua “Opinion”.

Para que tudo fosse querente, claro, realce para o guitarrista Ricardo Quinteiro e para os jovens de enorme potencial que construíram tão bem os momentos, paragens, solos e instrumentais da banda de suporte: o baixo de Heber Pires, a bateria de Ronaldo Lopes e os teclados de Deri Lopes.

Nesta parte então, o instrumental…Sara levantou voo em relação ao “mood” dos trabalhos anteriores.

Vamos continuar a ouvir o disco, mas quase que adivinhando que palcos não faltarão.

Para finalizar, fazendo questão de que fosse mesmo para fechar com um dos factos de maior interesse, que belo é ver um artista a criar as condições para fazer fisicamente o disco, recorrendo ao “Croundfunding”, ser autora de todas as letras, constituir a banda de suporte que lhe ofereceria os bouquets de notas musicais…enfim…este disco só poderia ter um tom…o “Ton di Petu”.

E foi uma sexta feira, 13.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 855 de 18 de Abril de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Sara Alhinho

Autoria:Paulo Lobo Linhares,22 abr 2018 13:13

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  22 abr 2018 13:13

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.