Finaçom pa Cacá Barbosa

PorHenrique “Djick” Oliveira,23 jul 2020 10:17

Homenagem ao verdadeiro amigo Cacá Barbosa e grande homem caboverdiano, nos 45 anos da nossa Independência

No ca odjâ na hora di partida

Nem na momento di dispidida

Pa nós rosto serba um só rosto

[ num silêncio di lágrima!

Ah! Cacá

Ó qui és pergunta’n pa bô

En ta abri porta di sodadi

En ta gritâ nós dor!

Guenti...guenti...Ó nha guenti!

Di portón di bô aldeia saí um strada

Um caminho só, um único direçom

Pamô é si distino di homi!

Dia e noti en ta ubi manenti

Pito di que’l barco qui lebabo

É um stranho emigraçom,

[ num caxa di pinho,

Erguido na ombro di nós mágua!

Guenti...guenti...Ó nha guenti!

Ah! Cacá

Ó qu’és pergunta’n pa bô

Nha violom ta tchorâ um morna,

[ um batuque, um funaná

En ta abrí um libro di bô poema

Cuma qui’n ta abri cortina di tempo

Pá bô voz voltâ pa nós

[ co pureza d’iternidade!

Di és manera, na luar di nós mágua

N’ ta xinti más perto

No ta xinti más djunto di bô!

Na coraçom di nós ilha

[ santo é bô presença,

Limpo é bô herança,

[ cuma pón di cada dia,

Repartido n’és téra di sperança!

Pabia bô comberso é um só:

“Fla trabadjador di nós téra

Ma n’cunfia na forsál si braço

Fla juventude nós téra

Ma n’cunfia na si vivacidadi

Fla studanti nós téra

Ma n’cunfia na si capacidadi

Fla povo intero ma n’fla

Pa no djunta mon tudo no pintcha

Cabo Verdi pa dianti

Pa progresso e felicidadi!”

(Versão em língua portuguesa)

cover
cover


Não houve tempo para um derradeiro olhar

E sermos um só rosto num silêncio

[ de lágrimas!


Ah! Cacá

Se alguém me perguntar por ti

Abrirei as portas da saudade

Gritarei a nossa dor insana!


Gente...Gente...Ó gente!


Infinita é a estrada que sai

[ da tua aldeia!

É também única a direcção

[ do seu percurso,

Como é lícito ao destino do homem!

Dia e noite escuto a sirene

[ do barco que te levou!


Estranha emigração essa

[ numa caixa de pinho

Erguido aos ombros

[ de um silêncio de choro!


Gente...Gente...Ó gente!


Ah! Cacá

Se alguém me perguntar por ti

O meu violão dirá um batuque,

[ Uma morna, um funaná!


Abrirei um livro de poemas teus

[ como quem afasta a cortina do tempo

Para ouvir na tua voz

[ a pureza da eternidade


Ao luar da nossa mágoa

[ estarei mais junto

Estaremos mais perto de ti!

No coração de cada ilha

[ és presença incarnada


Limpa é a tua herança

Como a partilha do pão

[ e da esperança!

Esta é a tua voz:


“Fla trabadjador di nós téra

Ma n’cunfia na forsál si braço

Fla juventude nós téra

Ma n’cunfia na si vivacidadi

Fla studanti nós téra

Ma n’cunfia na si capacidadi

Fla povo intero ma n’fla

Pa no djunta mon tudo no pintcha

Cabo Verdi pa dianti

Pa progresso e felicidadi!

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 972 de 15 de Julho de 2020. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Henrique “Djick” Oliveira,23 jul 2020 10:17

Editado porAndre Amaral  em  23 jul 2020 20:31

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.