Tronku, outra alternativa de diversão na Praia

PorDulcina Mendes,19 jun 2022 10:43

O projecto Tronku nasceu na zona de Fundo Cobon na Cidade da Praia pelas mãos de um professor universitário e é hoje um espaço muito procurado por nacionais e estrangeiros. Trata-se de um restaurante/bar que oferece animação diversificada de segunda a sábado.

Alexandrino Lopes, mais conhecido por Titio, o proprietário do espaço, conta que Tronku é resultado de uma pesquisa académica. “Um trabalho inovador, pois foi resultado da minha pesquisa de mestrado”.

“Abrimos o Tronku em 2018, fui fazer o meu mestrado no Brasil e quando regressei, em 2021, renovei o espaço. O Tronku renovado já está a funcionar há um ano. É um espaço onde o meu pai tinha uma lojinha e é uma homenagem a ele”, explica.

O projecto nasceu, segundo Alexandrino Lopes, da necessidade de oferecer aos praienses algo diferente daquilo a que estão habituados. “Tronku surgiu para dar resposta a uma demanda local. Surgiu numa zona com problemas pelo que assumi o desafio de criar algo, já que antes tínhamos que ir a outros bairros para nos divertir. E aí pensei: por que não criar um espaço aqui?”.

Segundo o seu promotor, Tronku representa força, raiz, unidade, justiça, subalternidade, emancipação, africanidade, vontade, prazer, progresso e positividade, representa aquela energia e vontade que sempre assumiu.

O espaço tem atraído vários turistas. “É oportunidade também para os jovens começaram a se relacionar com os turistas e estamos a conseguir trazer turistas para cá. Os turistas antes eram vistos no Platô, eram outras pessoas e outras classes sociais que tinham oportunidade de interagir com eles, mas agora temos oportunidade de fazer as pessoas desta zona colaborar com os turistas”, destaca.

Conforme explicou, Tronku é outro produto que querem vender, que é “algo imaterial, pois não é palpável, mas é algo que se sente. Não é necessário uma estrutura grande, é só uma rua que tem magia. É aquilo que sempre digo, vendo magia ou alegria, porque tudo é feito dentro de muitas perspectivas e não há limite”.

“A nossa ideia é romper com a barreira e criar pontes para que as pessoas possam estar juntas porque para mim a educação é mais do que quatro parede ou livro para estudar. Educação para mim é experiência, vivência e quando vêm cá ministros ou deputados conviver, as crianças da zona criam uma referência e tem outra perspectiva, pois tem oportunidade de conversar com pessoas com condição social ou económico mais elevada”, sublinha.

Ecomimia local

Com o projecto, Alexandrino Lopes explica que tem conseguido que várias famílias das redondezas tenham um rendimento. Além de dar emprego aos jovens do bairro, o projecto já fez com que o negócio de muitos vizinhos progredisse. “Trabalhamos com mais de 30 jovens da zona. Conseguimos pôr a economia a funcionar dentro desta estrutura e todos os que estão ao redor estão a ganhar com isso”.

Para Titio, o que lhe dá motivação e que o faz acreditar neste projecto é quando ouve relatos de vizinhos que a vida deles mudou com o Tronku.

“Muitas pessoas que estavam com os seus negócios fechados, hoje estão a prosperar, muitas casas que estavam fechadas, porque ninguém queria morar aqui, hoje estão supervalorizadas graças ao Tronku porque trouxemos economia e capital para esta zona e as pessoas estão a tirar partido disso e a ideia é isso mesmo”, sublinha.

“Nós hipervalorizamos esse espaço, criamos condições para fazer negócio, os apartamentos aqui estão supervalorizados, pois o preço das casas aumentou muito com esse projecto. Hoje temos apartamentos aqui de 30 mil escudos, derivado ao Tronku”, afirma.

Titio explica que a sua ideia não é competir nem ter um monopólio desse lugar. “A minha ideia é criar uma centralidade, um centro de referência para agregar muitas pessoas e fazer o meu redor funcionar”.

Por outro lado, garantiu que todos quantos vão ao Tronku sentem-se agradados porque o lugar proporciona outra energia e outra visão. “Tronku é uma alternativa social, é um projecto mais do que privado, pois nasce num âmbito social, de empoderamento, de alternativa local, perspectiva nacional de Cabo Verde”.

“E é isso que é a minha felicidade, não existe outra. Tronku começou lá dentro, depois o espaço começou a ficar cheio, então saímos para fora”, acrescenta.

Criminalidade

Alexandrino Lopes revela que com o projecto conseguiu tirar a zona de Fundo Cobon do mapa da criminalidade e passá-lo para um mapa de prazer, de beleza e de boniteza. “Era um espaço que não tinha alternativa e que hoje está na boca do mundo. E Tronku não orgulha só Fundo Cobon, mas a Cidade da Praia e Cabo Verde”.

“A ideia não é a pessoa emancipar-se, é combater a criminalidade, aqui era um espaço escuro, sem luz eléctrica onde as pessoas podiam passar e cometer crimes”, indica. Hoje, tem iluminação e tranquilidade. “Estamos aqui todas as semanas a fazer força de resistência e hoje é um grande sucesso. Tronku criou um movimento e hoje tens um relato diferente daquilo que tínhamos antes”.

Conforme contou, Tronku já recebeu pessoas de várias classes sociais. “Já recebemos deputados, ministros, pessoas de vários lugares e até das embaixadas sediadas na capital do país”.

“Tronku já é uma marca e está na boca do povo”, garante, dizendo que Tronku é um património nacional, “para a minha grande alegria seria bom que outras instituições abraçassem este projecto”. 

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1072 de 15 de Junho de 2022. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Dulcina Mendes,19 jun 2022 10:43

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  20 jun 2022 8:51

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.