Xadrez: A imortal Zugzwang

PorAntónio Monteiro,26 mai 2018 15:02

​As partidas de xadrez entram na história sob a forma de gloriosos e sonoros epítetos; não podia deixar de ser de outra forma porque normalmente são os próprios mestres a registarem para a posterioridade os seus feitos mais célebres e dignos de memória.

Qualquer praticante conhece a partida disputada em Paris, durante a ópera O Barbeiro de Sevilha, entre Paul Morphy e a dupla Conde Isidoro e o Duque de Brunswick. O genial norte-americano sacrifica quase todas as peças para, no décimo sétimo lance, aplicar, aos atónitos dignitários, o mate mais famoso da história do xadrez. Foi a primeira Imortal do jogo dos reis e conhecê-la de cor é ainda um must no xadrez. Trata-se, para proferir de uma vez palavras fatais, da partida mais celebrada e instrutiva de todos os tempos. Outras seguiram. Por assim dizer, cada época produz a sua obra-prima onde é indelével o Zeitgeist – neste caso o romantismo, cuja quintessência poderia ser ‘o triunfo do espírito sobre a matéria’. Empreguei o germânico termo Zeitgeist para me referir ao espírito da época, ou do tempo, como se quiser. Segue outra palavra alemã, esta, para nossa áspera língua, quase impronunciável – Zugzwang. Segundo um vernaculista português que muito preso, Francisco Alves da Costa, a palavra não tem tradução exacta em português, nem tão pouco ousou propor alternativa no seu eloquente Dicionário de Estrangeirismos. É lamentável porque para outros barbarismos o mestre encontrou soluções inovadoras que bem eviden-ciam seus amplos recursos lexicais. No xadrez Zugzwang, na sua definição mínima, significa “sem movimento útil”. Alcança-se esta posição, sobretudo em finais de partida, quando a obrigatoriedade de jogar deixa o adversário à beira do colapso. Isto aconteceu na partida protagonizada, em Copenhaga, em 1923, pelos mestres Saemisch e Nimzovich. O mestre alemão Friedrich Saemisch (1896-1975) aportou importantes contributos à Defesa Índia do Rei, cujas variantes imortalizam seu nome. Aron Nimzovich (1886 – 1935) destacou-se fundamentalmente como pensador e foi ao lado de Richard Reti um dos arautos da chamada Escola Hipermoderna do Xadrez. É autor do magnífico tratado Mein System, que ainda hoje continua sendo uma obra imprescindível para todo o praticante e que foi livro de cabeceira de campeões do mundo como Petrosian, Spassky, etc. O assombroso é que nesta partida chega-se ao Zugzwang com quase todas as peças no tabuleiro.

Uma modesta jogada que enfatiza o Zugzwang branco, com o tabuleiro praticamente completo. Qualquer jogada, como o leitor poderá verificar, conduz à derrota imediata: se 26.Rh2 T5f3, se 26.Bc1 Bxb1, se 26.g4 T5f3 27.Bxf3 Th2++, se 26.Tc1 Te2, e se 26.a3 a5! 27.axb4 axb4 28.b3 Rh8 29.h4 Rg8, e acabam-se as jogadas brancas. Uma posição única nos anais do xadrez.

Saemisch – Nimzovich

Defesa Índia da Dama, Copenhaga, 1923

image

(25.h6! As brancas estão em Zugzwang)

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 860de 23 de Maio de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Zugzwang

Autoria:António Monteiro,26 mai 2018 15:02

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  26 mai 2018 15:02

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.