Plataformas digitais e a economia do Futebol

PorLeonardo Cunha,17 jul 2020 7:49

No passado dia 7 de julho tive o prazer de ser convidado pela G9 (através de Fernando Firmino Gomes) para a moderação de uma conversa ao vivo nas redes sociais com o economista Diogo Luís sobre o tema das Plataformas digitais e a economia do Futebol. A G9 Sports Management tem tido várias iniciativas idênticas com temas diversos sobre o Desporto em geral e o Futebol em particular.

Para quem não conhece, Diogo Luís, é um ex-jogador de futebol (na qual fiquei a saber a curiosidade que foi o primeiro jogador a ser “lançado” por José Mourinho aquando a sua passagem pelo Sport Lisboa e Benfica) e que teve uma carreira muito promissora no clube da Luz. Posteriormente, garantiu a oportunidade de se formar numa das mais bem reputadas universidades de economia de Portugal. Este trajeto de pós-carreira é um caso de sucesso, pois hoje em dia Diogo Luís mantém o seu papel de economista, mas igualmente é um reputado comentador na Bola TV.

O tema tratado é da extrema importância na atualidade, pois de facto a pandemia serviu para ser um catalisador para a utilização das plataformas digitais em todos os quadrantes da sociedade. No desafio de conseguir trazer este tema para a realidade de Cabo Verde (visto que o convidado nunca visitou cabo verde e o contacto que tem com a realidade desportiva é através dos seus contactos pessoais ou então através do que recolhe na comunicação social), Diogo Luís conseguiu ter uma análise acertada do estado de desenvolvimento da macroestrutura desportiva nacional e de qual os desafios que o país enfrenta para dar um passo em frente.

O primeiro aspeto que foi apontado pelo convidado é que Cabo Verde deve garantir em todas as vertentes da qualidade do desporto praticado. Este é o ponto de partida para todo desenrolar de estratégia de elevação e desenvolvimento do desporto nacional. Apenas com qualidade (do ponto de vista técnico, do espetáculo e da integridade e verdade desportiva) é que se poderá tirar partido de todos os processos de alavancagem.

Garantido a qualidade, o convidado defendeu que é necessária uma excelente organização por partes das entidades que estão envolvidas no desporto. Garantindo a organização dos processos e estruturas é que se pode manter o nível de sucesso constante, não estando dependente apenas da disponibilidade de recursos. Foi defendido igualmente que a garantia da organização tem uma relação direta com a qualidade, pois com um alto nível de organização é possível reter os talentos existentes. Desta forma, Cabo Verde poderá manter uma hegemonia que irá afetar todo o sistema.

Esta relação da qualidade da prática e do desenvolvimento organizacional irá agora abrir a possibilidade de ser potenciado por todos os fatores de alavancagem através das plataformas digitais. Aqui a criatividade será chave para garantir vantagem. Outro fator de relevo na utilização destas plataformas é a conectividade de Cabo Verde com outros países, na qual é um fator relevante para quando se pretende fazer parcerias vantajosas.

A economia do futebol (e do desporto) irá assim ser impactada por um conjunto de medidas sistemáticas que iram garantir um maior sucesso na criação de um meio para atingir o objetivo de desenvolvimento nacional através do desporto.

Obrigado ao Diogo Luís pela partilha e pela amizade a Cabo Verde. Podem assistir à nossa conversa em https://www.facebook.com/gomesnove/videos/859871481083271

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,17 jul 2020 7:49

Editado porAndre Amaral  em  18 jul 2020 8:49

pub.
pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.