Lei FIFA

PorLeonardo Cunha,11 fev 2022 8:06

Em 2008, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) - Ricardo Teixeira com representantes do Ministério Público, assinaram um documento que proíbe bebidas alcoólicas nos estádios brasileiros para o Campeonato do Mundo FIFA 2014. Contudo, em 2009, o COL (Comité Organizador Local) informou as cidades anfitriãs que terão de aprovar leis que permitam a venda de álcool nos estádios da Copa do Mundo.

A mudança de atitude é explicada por um contrato multimilionário entre a Budweiser e a FIFA, que se prolongaria até o ano do mundial de 2014. O acordo previa a venda de bebidas alcoólicas nos estádios, como nos últimos seis Mundiais. Os acordos de “marketing” relacionados com o Campeonato do Mundo da FIFA representam mais de um quarto dos rendimentos da FIFA. A maioria dos patrocínios para a Copa do Brasil já tinham sido assinados. Foi com parte deste dinheiro que a entidade cobriu os custos do COL.

Isto foi chamado na altura do mundialda “LEI FIFA”. A decisão do comité de legalizar o álcool contrariou uma tendência mundial em matéria de segurança do futebol. A UEFA, que controla o futebol europeu, faz uma recomendação que o álcool não seja vendido em jogos no seu guia para a segurança do estádio.

Para o Mundial de 2022, as autoridades do Qatar ponderam um alívio da proibição do país de álcool para o Mundial deste ano, com a FIFA alegadamente a fazer um grupo de pressão para que as vendas sejam permitidas nos estádios. O consumo de álcool no Qatar limita-se, em grande parte, a hotéis de luxo e a clubes privados, sendo que as bebidas em público são crime.

As bebidas alcoólicas não fazem parte da tradição ou cultura do Qatar, e a sua disponibilidade para visitantes internacionais durante o Mundial é um ponto de discórdia. Uma zona de fãs foi testada quando se realizou o Campeonato do Mundo de Clubes da FIFA em 2019, e um plano semelhante é esperado para o Campeonato do Mundo de Seleções este ano.

No entanto, há incertezas sobre a venda de álcool nos oito estádios utilizados para o Mundial. Conforme a Bloomberg, as autoridades do Qatar enfrentam pressões da FIFA e da empresa de cerveja AB InBev, cujas bebidas incluem Budweiser (o patrocinador oficial de cerveja do Mundial há mais de três décadas).

Uma opção em consideração é disponibilizar um produto com um menor teor alcoólico, possivelmente Bud Light, disponível nos locais. Em novembro de 2016, o Qatar 2022 alegou que os fãs não conseguiriam comprar ou beber álcool em locais públicos, embora desde então os organizadores pareçam ter mudado desta abordagem de linha dura.

Um porta-voz do Comité Supremo de Entrega e Legado disse à Bloomberg que trabalhava com a FIFA e as partes relevantes no Qatar para "atender todos os adeptos locais e visitantes". Enquanto isso, foi noticiado que a FIFA e a AB InBev estavam a procurar uma atmosfera “respeitosa” em relação aos costumes e tradições do país anfitrião, enquanto disponibilizaram álcool onde os fãs desejarem. O Mundial do Qatar tem estado envolto em controvérsia desde que a nação recebeu direitos de acolhimento em dezembro de 2010, após um processo de candidatura disputado.

A FIFA e os seus patrocinadores têm conseguido mudar a vontade e mesmo costumes culturais dos legisladores dos países anfitriões das suas competições. Será que em 2022 teremos mais uma reedição da “LEI FIFA”? 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Leonardo Cunha,11 fev 2022 8:06

Editado porAndre Amaral  em  11 fev 2022 16:35

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.