"Não há necessidade de o Estado ter presença activa na Binter" - Olavo Correia

PorExpresso das Ilhas, Inforpress,30 mai 2018 7:09

​O vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, reiterou terça-feira que o Estado não pretende ter mais do que 30% do capital da Binter Cabo Verde, ou seja, não vai adquirir os 19% que vão ser colocados à venda.

“Nós acordámos a entrada do Estado de Cabo Verde com 30% do capital pela saída na operação doméstica. Nós não queremos ser accionistas de empresa para termos administradores públicos juntamente com privados. Nós queremos que a empresa preste um bom serviço para os cabo-verdianos”, salientou.

Olavo Correia que falava aos jornalistas durante uma visita realizada hoje à empresa de Telecomunicações Cabo Verde Telecom (CVT), disse que as negociações estão a ser concluídas, sendo que os 19% vão ser colocados no mercado para quem os quiser comprar.

Mesmo que não apareça um privado nacional para adquirir os 19% do capital da Binter, e garantir que 49% do capital da empresa, que detém o monopólio das ligações inter-ilhas, seja nacional, o Governo não vai avançar, porque, na perspectiva do ministro, “não há necessidade de o Estado ter uma presença activa na empresa”.

“Nós temos uma entidade de regulação que deve intervir com eficiência para regular os preços e manter a qualidade do serviço e isso que é mais importante. Estamos a ultimar as negociações e penso que tudo fica rapidamente fechado de ponto de vista formal”, realçou.

A Binter Cabo Verde está a operar nas linhas domésticas desde Novembro de 2016 e, em Agosto do ano passado, assumiu o monopólio das ligações áreas domésticas em Cabo Verde, com o fim da operação interna da TACV.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Inforpress,30 mai 2018 7:09

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  31 mai 2018 7:02

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.