​Dispositivos utilizados pelas frotas de pesca "afectam a dinâmica dos bancos de atum”

PorExpresso das Ilhas, Lusa,3 ago 2018 7:51

O Governo das Canárias e representantes da Federação das Pescas denunciaram que 80% dos barcos dedicados à pesca do atum nas ilhas Canárias estão a ser impedidos pela pesca de cerco nas águas do Senegal, Mauritânia e Cabo Verde.

O presidente da Federação Provincial das Associações de Pescadores de Las Palmas, Gabriel Jiménez, informou, após o encontro com o presidente do Governo das ilhas Canárias, Fernando Clavijo, que existem entre 14 a 18 barcos dedicados à pesca do atum, ao sul das ilhas Canárias, onde implantaram entre 500 a 600 objectos que atraem até 800 toneladas de atuns.

"Isso faz com que a rota do atum para as ilhas Canárias seja impedida", alertou Gabriel Jiménez, que pediu a Fernando Clavijo, como presidente das Regiões Ultraperiféricas (RUP), que exortasse a Europa e também o executivo espanhol a controlar este tipo de pesca, que considera ser "prejudicial".

O presidente da Federação Provincial das Associações de Pescadores de Las Palmas, mencionou que "um dos problemas" no sector do atum "é a falta de pesca que existe hoje nas ilhas Canárias". 

Gabriel Jiménez apontou como solução a curto prazo a "concessão de uma quota de 1.600 toneladas de atum branco para as ilhas Canárias entre Setembro e Novembro", uma sugestão apoiada pelas autoridades locais. 

O ministro da Agricultura, Pecuária, Pescas e Água das Canárias, Narvay Quintero, adiantou que na semana passada enviou uma carta ao Ministério da Agricultura, Pescas e Alimentação e à Comissão Europeia em que solicita que a utilização deste tipo de pesca maciça que prejudica as ilhas Canárias para a frota da bandeira espanhola nas águas do Atlântico Oriental seja proibida temporariamente e por precaução. 

Narvay Quintero pede também um relatório detalhado com base em dados relativos a este tipo de pesca e solicita medidas temporárias da Comissão Internacional para a Conservação dos Tunídeos do Atlântico (CICCA), relativas ao uso de objectos de concentração de peixes. 

De acordo com o Governo das Canárias na carta, há evidências científicas que sugerem que os dispositivos utilizados pelas frotas de pesca que operam no Senegal, Mauritânia e Cabo Verde "afectam a dinâmica dos bancos de atum", actuando como "uma barreira contra os seus naturais movimentos migratórios". 

"Este método mata todos os tipos de peixe, por isso não é selectivo, sustentável ou artesanal", criticou o ministro, que quantificou as perdas para os pescadores das Canárias em milhões de euros, em relação a 2016. 

O ministro salientou que a perda de atum constitui "um verdadeiro colapso de rendimento que afecta directamente" uma frota de mais de 200 embarcações de pesca, tradicionalmente dedicada à pesca activa de atum nas Canárias. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,3 ago 2018 7:51

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  3 ago 2018 15:19

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.