O que os outros países podem aprender com as escolas de Singapura

PorExpresso das Ilhas,10 set 2018 8:06

​Quando a ilha de Singapura se tornou um país independente, em 1965, tinha poucos amigos e ainda menos recursos naturais. Como se transformou um dos grandes centros comerciais e financeiros do mundo? A estratégia, explicou Lee Kuan Yew, o primeiro Primeiro-Ministro, foi “desenvolver o único recurso natural disponível: o povo”.

Hoje, o sistema educacional de Singapura é considerado o melhor do mundo. O país está consistentemente no topo do Programa de Avaliação Internacional de Alunos (PISA) da OCDE, um teste trienal de jovens de 15 anos em dezenas de países, nas três principais categorias: matemática, leitura e ciências. Os alunos de Singapura estão cerca de três anos à frente de seus pares americanos em matemática. Este resultado é também alcançado pelas crianças mais jovens e os graduados das melhores escolas podem ser encontrados espalhados pelas universidades de elite em todo o mundo.

E a ilha-estado tem muito a ensinar ao mundo, segundo um artigo da The Economist, mas outros países são alunos relutantes. Uma das razões para esta resistência é que Singapura favorece a pedagogia tradicional, com professores a liderar as aulas. O que contrasta com a preferência de muitos reformadores, defensores de um ensino mais flexível, mais “progressista”, com o objectivo de incentivar as crianças a aprenderem por si próprias. Embora estudos internacionais sugiram que a instrução directa é, de fato, uma boa maneira de transmitir conhecimento, os críticos afirmam que Singapura tem um modelo de “perfuração e morte” que produz génios matemáticos sem criatividade e miseráveis.

No entanto, Singapura mostra que o brilhantismo académico não precisa de destruir as habilidades pessoais. Em 2015, os estudantes de Singapura também ficaram em primeiro lugar no novo ranking do PISA projectado para analisar a solução colaborativa de problemas, alcançando ainda melhores resultados quando a avaliação versou na leitura e na ciência. Os alunos também se declararam felizes - mais do que as crianças na Finlândia, por exemplo, um país que os educadores consideram um exemplo de como obter resultados excepcionais com métodos de ensino mais confusos. Não contente com estas conquistas, Singapura está a introduzir reformas para melhorar a criatividade e reduzir o stress dos estudantes. E isso não é um sinal de fracasso, mas sim de uma abordagem gradual e orientada por evidências para a reforma educacional; a primeira das três lições que Singapura oferece ao resto do mundo.

Onde outros países promovem reformas fragmentadas e descoordenadas, Singapura tenta olhar para o sistema como um todo. E investe fortemente em pesquisa educacional. Todas as reformas são testadas, com os resultados diligentemente monitorizados, antes de serem implementadas. É dada especial atenção à forma como as novas ideias e resultados devem ser aplicados nas escolas. Livros didácticos, planos de estudo e exemplos cuidadosamente desenvolvidos - práticas muitas vezes vistas como antiquadas no Ocidente - são usados para injectar conhecimento na sala de aula. O resultado é um bom alinhamento entre avaliações, prestação de contas e estilos de ensino.

A segunda lição é abraçar a abordagem distinta de Singapura ao ensino, principalmente da matemática - como a América e a Inglaterra já estão a fazer em certa medida. Esta abordagem enfatiza um currículo mais restrito, mas mais profundo, e procura garantir que toda uma turma avança através do programa. Alunos com dificuldades recebem aulas extra obrigatórias para ajudá-los a manterem-se a par; e até os menos capazes conseguem resultados relativamente bons.

A terceira e mais importante lição é concentrar-se no desenvolvimento de excelentes professores. Em Singapura, os docentes recebem 100 horas de formação por ano para se manterem actualizados com as técnicas mais recentes. O governo também lhes paga bem. Os melhores professores recebem um bónus substancial: no geral, os professores recebem salários iguais ao dos seus pares nas profissões do sector privado. O governo também aceita a necessidade de turmas maiores (a média é de 36 alunos, comparada com 24 na OCDE). Mais, considera que é melhor ter turmas grandes ministradas por professores excelentes do que menores ensinadas por professores medíocres. Os professores que não querem o fardo burocrático de administrar as escolas podem tornar-se “mestres-professores”, com a responsabilidade de treinar os colegas. Os professores estão também sujeitos a avaliações anuais rigorosas de desempenho.

O tamanho de Singapura [716 quilómetros quadrados], além disso, também permite um grau incomum de centralização. O director-geral do Ministério da Educação diz que conhece mais de 80% dos professores-chefes pelo nome, o que facilita o acompanhamento do que está a acontecer. Na maioria dos países, os sindicatos de professores e os próprios pais são os primeiros resistentes a grandes turmas, por exemplo, mas como conclui o artigo da The Economist: “isso é uma vergonha. A educação seria muito melhor se mais países copiassem o trabalho de casa de Singapura”.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 875 de 5 de Setembro de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Singapura

Autoria:Expresso das Ilhas,10 set 2018 8:06

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  11 set 2018 8:11

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.