OPEP agrava colapso da procura de petróleo devido à 2.ª vaga da pandemia

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 nov 2020 14:40

A OPEP calculou hoje que o colapso do consumo mundial de petróleo provocado pela crise da covid-19 será de 9,75 milhões de barris por dia em 2020, mais 280.000 milhões de barris do estimado há um mês.

No relatório mensal, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) explica que a revisão em baixa, que se junta a outra para a procura de petróleo em 2021, se deve à virulência inesperada da segunda vaga da pandemia da covid-19 nos Estados Unidos e na Europa, onde foram impostas novas restrições de mobilidade.

"Como resultado, a recuperação da procura de petróleo será gravemente dificultada e espera-se que a lentidão (do crescimento) da procura de combustível para o transporte e a indústria dure até meados de 2021", explica a OPEP.

A organização também corrigiu em baixa a denominada "procura da OPEP", ou seja, o volume de barris que o mundo irá necessitar dos seus treze parceiros, estimando agora uma média de 22,1 milhões de barris por dia em 2020, "que é cerca de menos 7,2 milhões de barris por dia do que em 2019" e menos 200.000 barris do que a estimada de há um mês.

Ainda maior, 600.000 barris por dia, é o ajustamento feito à sua previsão de procura em 2021, quando espera que esta seja de 27,4 milhões de barris por dia.

Em Outubro, o grupo aumentou a produção em relação a Setembro em 322.000 barris por dia para 24,39 milhões de barris por dia.

O aumento deveu-se principalmente a uma recuperação da produção da Líbia e a um aumento da produção iraquiana.

A OPEP já tinha reduzido as previsões da procura em Agosto e Setembro (em Outubro deixou-as inalteradas), pelo que desde Julho piorou as previsões de consumo de petróleo em cerca de 800.000 barris por dia.

O documento é o último a ser publicado antes da próxima conferência ministerial da OPEP, em 30 de Novembro e 01 de Dezembro, durante a qual será avaliada a entrada em vigor da terceira e última fase do corte de produção actual, que suporia um aumento de 1,9 milhões de barris da produção conjunta a partir de 01 de Janeiro.

"Dadas as restrições renovadas em várias grandes economias, a situação do mercado exige um acompanhamento e uma vigilância estreitos e contínuos, a fim de ter em conta as grandes incertezas que se avizinham", acrescenta o relatório.

Os analistas da OPEP estimam que a pandemia da covid-19 "continuará a dominar a recuperação (da procura) no meio das últimas notícias relacionadas com uma possível vacina iminente".

Depois de se terem desvalorizado em Outubro, os preços do petróleo bruto reagiram com fortes subidas à notícia de que a vacina contra a covid-19, desenvolvida pela empresa farmacêutica norte-americana Pfizer e pela empresa alemã BioNTech, tem uma eficácia de 90%.

No entanto, a OPEP estima que a procura de petróleo continuará a ser afectada nos próximos meses pelo "impacto estrutural da pandemia em vários sectores.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 nov 2020 14:40

Editado porAndre Amaral  em  29 nov 2020 7:19

pub.
pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.