Portugal quer revisão de pauta aduaneira em Cabo Verde para tornar produtos mais baratos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 nov 2021 9:58

1

O director da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) em Cabo Verde, Paulo Borges, pediu hoje a revisão da pauta aduaneira para tornar os produtos portugueses mais baratos e mais acessíveis no arquipélago africano.

Em declarações à agência à Lusa à margem de um ‘workshop’, na cidade da Praia, sobre as relações empresariais entre Cabo Verde e Açores, o director da AICEP disse que há muitos anos que os empresários portugueses vêm chamando a atenção para a pauta aduaneira em Cabo Verde.

“Em primeiro lugar, é muito extensa, há muitos artigos que quase que são idênticos e é difícil identificar qual é a que se aplica com a melhor taxa e isso por vezes traduz-se num aumento de burocracias, que prejudicam o ambiente de negócios”, lamentou.

Aquele responsável deu como exemplo as taxas aplicadas aos vinhos, que não é considerado uma bebida alcoólica, mas sim um produto alimentar.

“Gostaríamos de ver as taxas dos vinhos em geral mais próxima do que se aplica a nível internacional e em outros países. Em Cabo Verde é bastante elevada e o vinho é um produto muito importante também para o turismo de Cabo Verde”, sustentou.

“Se conseguíssemos democratizar o preço do vinho podíamos aumentar as nossas exportações nesse sector e o próprio sector em Cabo Verde desenvolvia-se mais, porque também é um produtor de excelentes vinhos”, completou Paulo Borges.

O director da agência portuguesa notou que as taxas aduaneiras muito elevadas não são aplicadas somente aos vinhos, mas também a produtos lácteos, e são “um pouco penalizadoras” para a actividade económica.

O responsável lembrou que Cabo Verde já deu aderiu à Organização Mundial do Comércio (OMC), esperando que isso contribua para vir a ter “taxas mais acessíveis” em alguns produtos importados, para evitar que cheguem ao consumidor final a um valor elevado.

“Acho que seria também um contributo importante para o aumento do consumo em Cabo Verde e dar possibilidade à maior parte da população” para aquisição, mostrou a mesma fonte, nas declarações à Lusa.

Na sua intervenção no ‘workshop’, o director da AICEP em Cabo Vede deixou algumas sugestões para se poder aproveitar as oportunidades de negócios entre os dois países, a começar por preparar bem a estratégia de entrada no mercado cabo-verdiano, analisar bem as suas características, o posicionamento geográfico e ver os principais concorrentes no mercado.

Mesmo as empresas que não têm condições para se instalar em Cabo Verde, disse, podem optar por um modelo de exportação indirecta, o que muitas já fazem, que é contratar um distribuidor local que pode garantir entrar no mercado sem grande esforço financeiro.

Desenvolver uma estratégia de promoção e marketing nos consumidores foi outra sugestão deixada por Paulo Borges, dando como exemplo os produtos dos Açores, que gozam de uma grande notoriedade em todo o mundo, inclusive em Cabo Verde.

Também disse que há outros sectores de actividade que podem ser explorados por empresários portugueses em Cabo Verde, como as energias renováveis, tecnologias de informação ou o imobiliário.


Recorde de importações 

Entretanto, em 2020, Portugal bateu o recorde de exportações de bens e serviços para Cabo Verde, totalizando cerca de 380 milhões de euros e recuperou a primeira posição de maior investidor estrangeiro no arquipélago.

“De facto, 2020 foi o nosso melhor ano de sempre em termos de exportações de bens. Foi um bom ano em termos de investimentos estrangeiros, recuperamos a primeira posição em Cabo Verde em termos de investidor estrangeiro, o que nos permitiu consolidar a nossa posição como principal parceiro económico de Cabo Verde”, disse o diretor da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) em Cabo Verde, Paulo Borges.

De acordo com o mesmo responsável, em 2020, não obstante a pandemia da covid-19, Portugal teve cerca de 380 milhões de euros de volume das exportações de bens e serviços para Cabo Verde.

Agroalimentar, produtos agrícolas, materiais de construção, combustíveis e medicamentos foram os principais produtos exportados para Cabo Verde por mais de 2.000 empresas portuguesas, sobretudo micro, pequenas e médias empresas.

Para o director da AICEP em Cabo Verde, esses dados explicam-se porque as relações entre os dois países vão muito além da parte económica, e mesmo com a suspensão das ligações marítimas e aéreas de passageiros, Portugal nunca interrompeu as ligações de mercadores com Cabo Verde por causa da pandemia da covid-19.

“A nossa área logística e de Cabo Verde teve uma importância fundamental, porque conseguiu garantir sempre a Cabo Verde o abastecimento de bens essenciais, como os alimentares, medicamentos ou materiais de construção”, frisou o responsável à Lusa, à margem de um workshop, na cidade da Praia, sobre as relações empresariais entre Cabo Verde e Açores.

Apesar de ainda continuar a sentir os impactos da pandemia da covid-19, Paulo Borges disse que as exportações portuguesas para Cabo Verde já estão a crescer novamente a cerca de 6%, em relação ao ano passado.

“Tudo indica que, como a retoma da economia que já se sente, vamos bater novamente um recorde e será o nosso melhor ano de sempre em termos de exportações de bens”, perspectivou, dizendo que Cabo Verde é um mercado que permite às empresas portuguesas iniciar o processo de internacionalização “sem grandes problemas”.

Relativamente à importação de produtos cabo-verdianos, aquele director da AICEP disse que houve uma quebra, porque Portugal importada sobretudo vestuário e calçado de empresas lusas instaladas em Cabo Verde, que enfrentaram muitas dificuldades no ano passado.

A AICEP é a agência responsável pelo acolhimento de projectos de investimento, de origem nacional ou estrangeira, em Portugal, fazendo o acompanhamento de todas as etapas do projecto e fornece aconselhamento e “informação à medida” das necessidades dos clientes.

A agência cobre toda a cadeia de valor da economia portuguesa, através de serviços orientados ao cliente, sejam empresas portuguesas, sejam investidores estrangeiros, contribuindo, assim, para a notoriedade da imagem de Portugal no mundo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 nov 2021 9:58

Editado porSara Almeida  em  8 dez 2021 10:19

1

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.