ExpoDubai: Cabo Verde quer ser “a complementaridade” da região MEASA

PorExpresso das Ilhas, Lusa,22 nov 2021 8:10

A Expo 2020 Dubai “é uma oportunidade única” para Cabo Verde, considerou, em declarações à Lusa a comissária-geral cabo-verdiana, afirmando que o país quer ser “a complementaridade” da região do Médio Oriente, África e Sul da Ásia (MEASA).

A Expo 2020 Dubai, que foi adiada um ano por causa da pandemia de covid-19, arrancou em 01 de Outubro e é a primeira vez que acontece naquela região do globo.

Para a comissária-geral de Cabo Verde para a exposição mundial, Ana Lima Barber, a “Expo 2020 é uma oportunidade única” para os países que participam nela, entre os quais este país africano.

“Nós queremos ser a complementaridade desta região que é a MEASA (sigla em inglês), Emirados Árabes Unidos, Norte de África, Sul da Ásia, queremos ser a complementaridade do outro lado do oceano Atlântico. O mundo tem de começar a ver os países de uma forma diferente, sobretudo após a pandemia” e o efeito que ela tem, sublinhou a comissária-geral, salientando que o tema de Cabo Verde nesta exposição é “mobilidade”.

“É o que Cabo Verde é: plataforma”, sublinhou Ana Lima Barber.

Sobre a participação do país, a responsável disse tratar-se de ser “naturalmente muito boa”.

“Vejo como uma forma de dar o nosso contributo para alavancar o nome, o ‘brand’ Cabo Verde, que é um país aberto ao mundo. Esta é uma oportunidade para Cabo Verde, para esta região sobretudo e para as novas conexões, novas colaborações, naturalmente os novos voos, os novos horizontes”, prosseguiu.

Ana Lima Barber salientou a importância da participação de Cabo Verde, “um país africano que está (…) na África Ocidental, estrategicamente bem situado, que está a crescer e a progredir de uma forma naturalmente visível, em termos dos objectivos que tem traçado e cumprido”.

Para a responsável, “é importante participar, dar visibilidade ao que se tem feito, mas sobretudo criar aqui novos mercados, novas parcerias e novas colaborações, novas conexões”.

Nomeadamente tendo em vista “o progresso, o desenvolvimento sustentável”, porque “Cabo Verde tem ganhos enormes que é preciso aqui sublinhar”, dar a conhecer e promover, prosseguiu Ana Lima Barber.

“A nossa participação significa que a nossa visão é além dos nossos horizontes, nós temos uma visão de trazer Cabo Verde para um patamar diferente, uma visibilidade diferente que permita estar no centro do mundo. Mas esse centro do mundo implica ter novas parcerias, trabalhar a nível dos investimentos, a nível dos produtos e serviços ‘made in’ Cabo Verde, a nível do destino turístico”, como também da cultura, que é “transversal” a todos estes pilares, sustentou.

Para Ana Lima Barber, a Expo 2020 Dubai “é uma das melhores de sempre, com todo o respeito” pelas anteriores, e está “focada” em “conectar pessoas, conectar países, conectar mercados, conectar culturas, tem como centro a pessoa”, argumentou.

E Cabo Verde “quer dar a conhecer as potencialidades, o capital humano que tem, quer dar a conhecer não só o que já se fez até agora, mas os desafios” e “como é que se podem aqui encontrar soluções para os desafios”, questionou.

“Podemos encontrar soluções que são globais, são conjuntas, em várias áreas”, respondeu.

Além de mostrar o que foi feito, Cabo Verde quer também dar a sua parte, trazer o que de bom faz e “também aproveitar esta sinergia, que são as potencialidades” e “oportunidades” que os outros países têm.

“Cabo Verde quer trazer aqui novas soluções, mas também quer ser obviamente a plataforma para África, o ‘gateway to África’, as duas avenidas, as duas rotas – quem entra em África e quem sai de África para o mundo”, salientou, acrescentando que o país está a trabalhar nesse sentido para criar todas as condições, sejam incentivos, benefícios fiscais, de forma a atrair investidores, com flexibilidade e acesso aos programas que o país tem, entre outros.

Sobre a presença dos países falantes de língua portuguesa na exposição mundial, Ana Lima Barber destacou a importância deste universo.

“Estamos a falar aqui de um mercado de nove países, de quatro continentes, de mais de 280 milhões de pessoas, de mais 1,2 biliões de potenciais consumidores relativamente aos mercados económicos em que estes países estão todos inseridos”, apontou, salientando tratar-se de “uma comunidade enorme, imensa, que é ligada pelo mar, pelo oceano, que é um sector extremamente importante”.

Ou seja, “falar da lusofonia neste caso significa apostar naturalmente neste mercado, que terá o seu impacto”, enfatizou a comissária-geral.

“Estes países que fazem parte da lusofonia têm sectores básicos e muito importantes. Estamos a falar do gás, (…) petróleo, (…) turismo, (…) agricultura, (…) da economia azul, energias renováveis. Temos todos os sectores, estão na linha da frente em termos internacionais e podemos perfeitamente trabalhá-los”, considerou.

E como é que isso pode ser feito? “Apresentar aqui a potencialidade que cada um destes países apresenta”, com “diversidade na união, mas não perdendo a identidade”, rematou Ana Lima Barber.

A Expo Dubai, que termina em 31 de Março de 2022, é o primeiro grande mega evento desde o início da pandemia onde são esperados 25 milhões de visitantes.

Os organizadores da Expo 2020 Dubai classificaram o primeiro mês do evento como um “grande sucesso”, anunciando 2.350.868 visitas de 01 a 31 de Outubro.

Esta é a primeira vez na história da Expo mundial que cada país tem o seu próprio pavilhão – 192 no total.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,22 nov 2021 8:10

Editado porAndre Amaral  em  23 nov 2021 8:44

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.