Empresários lamentam absentismo com aumento de casos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,7 jan 2022 9:16

O presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS), Marcos Rodrigues, disse esta quinta -feira que as empresas estão com pouca capacidade de laboração por causa do absentismo associado ao isolamento de casos de covid-19.

“É muitíssimo complicado”, desabafou o líder empresarial, à saída da apresentação do tradicional cumprimento de Ano Novo ao Presidente da República, José Maria Neves, numa altura em que Cabo Verde regista valores recordes de novos casos diários de covid-19.

Marcos Rodrigues referiu que um empregado infectado com SARS-CoV-2 representa “uma série de problemas” dentro das empresas, já que muitos outros, mesmo não estando contaminados, não podem apresentar-se ao serviço por serem contactos diretos.

“Isto praticamente está a pôr a empresa num estado de pouca capacidade de laboração”, referiu, sem precisar a percentagem de absentismo neste momento no país, mas notando que os números elevados de casos no país afectam transversalmente as empresas.

Cabo Verde confirmou esta semana a circulação da nova variante do novo coronavírus, a Ómicron, tendo neste momento um total de 47.376 casos positivos acumulados, dois quais 41.525 considerados recuperados da doença, 358 óbitos e há ainda 5.466 casos activos.

Nas declarações aos jornalistas, Marcos Rodrigues abordou ainda a questão do ‘lay-off’, que terminou em 31 de Dezembro, não defendendo abertamente a sua continuação, por causa da situação actual no país, mas dizendo apenas que os empresários vão dialogar com o Governo.

“Poderá ser uma solução (continuar), haverá outras soluções para poder mitigar a questão do ‘lay-off’ caso não haja condições para continuar”, salientou o empresário, apostando primeiro na concertação com o Governo para se encontrar “um caminho que possa servir a todos”.

O presidente da CCISS, que foi eleito em Dezembro, substituindo Jorge Spencer Lima, disse ainda que abordou com o chefe de Estado outras preocupações do tecido empresarial cabo-verdiano, também decorrentes da pandemia de covid-19, bem como outros projectos em carteira para a estabilidade desse tecido empresarial.

Entre essas questões, apontou a protecção do emprego e a nível fiscal, considerando que “penalizam fortemente” as empresas.

De qualquer forma, desejou que a actividade empresarial em Cabo Verde possa continuar a ser desenvolvida num “clima pacífico e estável”.

A Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento, que abarca as ilhas do Maio, Santiago, Fogo e Brava, é a maior família empresarial de Cabo Verde, contando, actualmente, com mais de 460 associados.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,7 jan 2022 9:16

Editado porSara Almeida  em  7 jan 2022 19:47

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.