Fortnite, o videojogo grátis que vale milhões

PorExpresso das Ilhas,13 ago 2018 6:59

 Além de competir com outros jogadores, o espaço disponível para fugir na ilha está sempre a diminuir
Além de competir com outros jogadores, o espaço disponível para fugir na ilha está sempre a diminuir

​O desafio de batalhas até à morte, mas sem sangue, conquistourappersamericanos, futebolistas e jovens de férias. Menos de um ano após o lançamento, já facturou mais de mil milhões de dólares.

Cair de pára-quedas numa ilha remota não é o cenário mais promissor. Pior se torna quando essa ilha é ocupada por outras 99 pessoas, que também lá aterraram, com a única função de eliminar os outros enquanto uma terrível tempestade vai diminuindo o espaço disponível para fugir. É esta a narrativa de Fortnite: Battle Royale, um jogo de tiros online que une milhões de fãs num mundo ficcional em que uma crise ecológica misteriosa ameaça a humanidade e só um jogador, ou equipa, pode sobreviver. Para ganhar, é preciso agilidade, estratégia e – como em qualquer jogo de tiros – boa pontaria.

Fortnite, da editora americana Epic Games (parcialmente detida pela chinesa Tencent), tornou-se um fenómeno global nos últimos meses. Entre os 125 milhões de jogadores, há jovens de férias, jogadores da selecção francesa que celebram vitórias no mundial com danças das personagens, e o rapper norte-americano Drake. Pode ser jogado no computador, em consolas, e em iPhone (está para breve uma versão para Android).

Os criadores preferem não falar do fenómeno. Em resposta ao jornal Público, o director de marketing da Epic Games, Nick Chester, disse que a equipa quer “que o jogo fale por si só” e que evitam entrevistas sobre o negócio ou desenvolvimento de Fortnite.

O jogo é extraordinariamente lucrativo, apesar de ser grátis e de não ter anúncios a interromper. Cerca de um ano depois do lançamento, já ultrapassou mil milhões de dólares em receitas, de acordo com dados da analista Superdata. Só na versão para iPhone, o jogo faz dois milhões de dólares em receitas diárias. Em Maio, Fortnite bateu o recorde de maior receita mensal num jogo grátis: 318 milhões de dólares. É mais do que jogos populares como League of Le­gends e Pokémon Go.

O dinheiro vem todo dos extras – roupa para os personagens, passos de dança únicos, ou missões novas. Com o número de jogadores a crescer, basta que uma pequena parte faça este tipo de compras.

A fama tem-se espalhado. Em França, o Nantes apresentou um novo jogador do clube num vídeo que imita a apresentação das personagens no jogo. Celebridades como Drake, o cantor Joe Jonas e a comediante Roseanne Barr falam no Twitter sobre os desafios. Já há um acordo com a Epic Games para serem criados brinquedos inspirados no mundo de Fortnite.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 871 de 07 de Agosto de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,13 ago 2018 6:59

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  13 ago 2018 6:59

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.