Ensaio clínico de medicamento contra o cancro vê os tumores desaparecerem em 100% dos pacientes

PorExpresso das Ilhas,19 jun 2022 15:57

Investigadores na área do cancro colorrectal destacam o estudo, publicado, domingo passado, na revista New England Journal of Medicine, citado pelo jornal Público, como uma descoberta inovadora que poderá abrir caminho a novos tratamentos para outros tipos de cancro.

Um pequeno ensaio clínico, conta o jornal Público, está a ter um impacto sísmico no mundo da oncologia: após seis meses de um tratamento experimental, os tumores desapareceram em todos os 14 pacientes diagnosticados com cancro rectal em fase inicial que participaram no estudo até à data da sua publicação.

Investigadores na área do cancro colorrectal destacam o estudo, publicado, no domingo, na revista científica New England Journal of Medicine, como uma descoberta inovadora que poderá abrir caminho a novos tratamentos para outros tipos de cancro.

“Penso que ninguém viu isto antes, em que todos os pacientes viram o tumor desaparecer”, diz Andrea Cercek, uma oncologista do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova Iorque, e principal autora do estudo, citada pela mesma fonte.

Todos os pacientes com cancro rectal partilhavam a mesma instabilidade genética e ainda não tinham sido submetidos a tratamento. Cada um recebeu nove doses de dostarlimab intravenoso, um medicamento relativamente recente concebido para bloquear uma proteína celular cancerígena específica, que, quando se expressa, pode fazer com que o sistema imunitário retenha a sua resposta para combater o cancro.

Após seis meses, exames que outrora mostravam tumores nodosos e descoloridos revelaram, em vez disso, tecido liso e cor-de-rosa. Não foram detectados vestígios de cancro nos exames, biópsias ou exames físicos.

“Todos os 14 pacientes? As probabilidades são extremamente baixas e realmente inauditas em oncologia”, afirma Andrea Cercek.

Os resultados foram tão bem sucedidos que nenhum dos 14 pacientes que completaram o ensaio clínico necessitou do tratamento seguinte que estava planeado de químio e radioterapia ou cirurgia. Também nenhum paciente teve complicações significativas após tomar o medicamento. Quatro outros pacientes do ensaio clínico ainda estão em tratamento, mas até agora estão a mostrar os mesmos resultados promissores.

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 1072 de 15 de Junho de 2022. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,19 jun 2022 15:57

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  19 jun 2022 15:57

pub.
pub.
pub.

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.