Cientistas propõem novo calendário e sistema de medição universal

PorExpresso das Ilhas, Lusa,14 jul 2022 8:19

Um grupo de cientistas espaciais chineses propôs a criação de um calendário e de um sistema de medição do tempo baseado em todo o sistema solar, revogando os estabelecidos em torno da Terra e das religiões.

A proposta, hoje noticiada pelo jornal South China Morning Post, surge na sequência da crescente exploração espacial, que implica grande complexidade quando é preciso realizar cálculos para orientar as naves e os instrumentos enviados, por exemplo, a Marte.

Os cientistas defenderam as suas propostas num artigo publicado no Journal of Electronic Measurement and Instrumentation (Jornal de Medição e Instrumentação Electrónica), no qual destacam a impossibilidade de determinar a hora exacta do chamado 'planeta vermelho' sincronizando-o com a Terra.

Os sinais de rádio enviados entre os dois planetas levam entre três a 22 minutos para chegar de um lado ao outro, devido à constante mudança da posição relativa e velocidade de ambos.

Para desenvolver um mecanismo de medição que funcione fora da Terra, os autores propuseram usar o centro de massa comum do sistema solar como origem das coordenadas para determinar localizações no espaço.

"O início dos tempos pode ser definido como o momento em que um sinal escolhido entre um pulsar de milissegundos de uma estrela de neutrões altamente magnética que pulsa centenas de vezes por segundo atingiu o baricentro", afirmaram.

Um grande desafio para estabelecer o padrão seria escolher o pulsar específico e o sinal para início do calendário, admitiram os investigadores.

O método proposto difere do actual, em que o planeta Terra é colocado no centro de um sistema de coordenadas e em que há um calendário elaborado com base em eventos religiosos que é internacionalmente aceite.

"É necessário um novo tipo de regulação do tempo além da Terra", defenderam os cientistas de diferentes organizações ligadas às áreas de astronomia e aeroespacial da China.

Nos últimos anos, a China tem investido fortemente no seu programa espacial e conseguiu pousar, pela primeira vez, uma sonda (a Chang'e 4) no lado oculto da Lua, além de chegar a Marte.

Com isto, a China tornou-se o terceiro país - depois dos Estados Unidos e da extinta União Soviética -- a pousar em Marte.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,14 jul 2022 8:19

Editado porAndre Amaral  em  14 jul 2022 8:22

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.