Começam, em breve, ensaios clínicos com vacina adesivo que promete imunidade mais duradoura

PorExpresso das Ilhas,15 nov 2021 9:37

Uma empresa baseada em Oxfordshire, no Reino Unido, começará em breve os ensaios clínicos de uma vacina de segunda geração contra a COVID-19. Trata-se de um adesivo fácil de administrar que usa células T para matar células infectadas e pode oferecer imunidade mais duradoura do que as vacinas actuais.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, a Emergex foi criada em Abingdon em 2016 para desenvolver vacinas de células T - a ideia foi do professor Thomas Rademacher, diretor executivo e professor emérito de medicina molecular da University College London.

Essas vacinas estimulam as células T para remover células infectadas do corpo rapidamente após a infecção, impedindo assim a replicação viral da doença. Enquanto os anticorpos produzidos pelas vacinas atuais da Covid-19 aderem ao vírus e impedem-no de infectar as células, as células T encontram e destroem as células infectadas.

Outros imunizantes, como o da Pfizer/Biontech ou da Astrazeneca, também produzem uma resposta de células T, mas em menor grau.

A Emergex, informa o The Guardian, recebeu luz verde do regulador suíço de medicamentos para realizar testes iniciais em humanos em Lausanne, envolvendo 26 pessoas que receberão uma dose alta e baixa da sua vacina experimental contra a COVID-19, a partir de 3 de Janeiro. Os resultados provisórios do ensaio são esperados em Junho.

Robin Cohen, director comercial da empresa, disse: "esta é a primeira vez que um regulador aprova uma vacina da COVID para entrar em ensaios clínicos cujo único objectivo é gerar uma resposta de células T alvo na ausência de uma resposta de anticorpos e essas células T procuram células infectadas e matam-nas".

Usando a analogia de um asteróide atingindo um planeta, o especialista explicou: "o vírus é o asteróide: dispara contra um planeta e um código viral, uma assinatura para esse vírus, é rapidamente exibido em toda a superfície. Essas assinaturas são lidas por células T como estranhas, e consequentemente as células T matam a célula antes que esta possa produzir novos vírus vivos".

As vacinas atuais da COVID-19 provocam uma resposta de anticorpos que diminui ao longo do tempo, o que significa que as pessoas precisam de doses de reforço para manter a protecção contra o vírus. A vacina Emergex funciona de forma diferente, matando células infectadas rapidamente. Isso significa que poderá oferecer uma imunidade mais duradoura - possivelmente por décadas - e também poderá ser mais eficaz no combate a mutações do vírus, referiu Robin Cohen.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,15 nov 2021 9:37

Editado porAndre Amaral  em  1 dez 2021 13:19

pub.

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.