Accionistas da Fiat Chrysler e Peugeot votam fusão

PorExpresso das Ilhas,4 jan 2021 9:56

O casamento dos fabricantes de automóveis PSA Peugeot e Fiat Chrysler Automóveis é construído sobre a promessa de poupança de custos na indústria faminta de capital. Mas o grande desafio será a manutenção de empregos e marcas num mercado global ainda a sofrer o abalo da pandemia.

Os accionistas votam esta segunda-feira o acordo que, sendo aprovado, vai criar o quarto maior fabricante de automóveis do mundo, a ser chamado Stellantis, com capacidade para produzir 8,7 milhões de automóveis por ano, atrás da Volkswagen, Toyota e Renault-Nissan, e criar 5 mil milhões de euros em sinergias.

Reunirá sob o mesmo tecto os fabricantes franceses de automóveis Peugeot, Citroen e FIAT, as marcas Jeep e de luxo e desportivas italianas Maserati e Alfa Romeo.

Enquanto o empate é facturado como uma fusão de iguais, a vantagem de poder vai para a PSA, cujo CEO Carlos Tavares dirigirá a Stellantis e deterá o voto de desempate no conselho de 11 lugares. Tavares deverá assumir o controlo total da empresa no início deste ano, possivelmente até ao final de Janeiro.

O presidente da Fiat Chrysler, John Elkann, herdeiro da família Agnelli, fundadora da Fiat, e o maior accionista da Fiat Chrysler, será o presidente da Stellantis. O CEO da Fiat Chrysler, Mike Manley, irá dirigir as operações norte-americanas, o que é fundamental para o objectivo de longa data da Tavares de conseguir uma posição nos EUA para o fabricante de automóveis francês que dirige desde 2014, e o claro fabricante de dinheiro para a Fiat Chrysler.

Tal acordo foi há muito desejado pelo director executivo de longa data da Fiat Chrysler, Sergio Marchionne, que tinha previsto a necessidade de consolidação no sector. Ele não conseguiu encontrar um acordo antes da sua morte súbita em Julho de 2018.

Tavares entra no novo papel com uma reputação de cortador de custos e gestor qualificado, qualidades que pôs em prática como chefe das operações norte-americanas da Nissan de 2009 a 2011 e na integração da Opel e Vauxhall na família PSA Peugeot após a sua compra em 2017. Os peritos dizem que é provável que ele siga um plano que mostrou pouca tolerância para veículos ou empreendimentos que não ganharam dinheiro.

Isso poderia colocar na mira qualquer uma das 15 marcas que Stellantis irá acolher, cinco da PSA e 10 da Fiat Chrysler. As duas empresas também têm sobreposições significativas nas suas operações de fabrico e engenharia na Europa.

A PSA afirmou numa declaração à AP, na semana passada, que as decisões sobre as marcas seriam comunicadas após o negócio ser fechado. A Fiat Chrysler afirmou numa declaração que não existem planos para encerrar quaisquer fábricas.

O analista Patrick Hummel do banco UBS disse esperar que "sejam tomadas medidas imediatas logo após a conclusão das negociações, por exemplo, trazendo o produto europeu da FCA para as arquitecturas PSA".

Ainda assim, os analistas salientam que ganhar economias de custos é apenas o primeiro de muitos que a nova empresa enfrentará. Tanto o PSA como a Fiat Chrysler entram no novo sindicato com registos e infra-estruturas deficientes na China, e ambos estão atrasados nos comboios eléctricos electrificados, exigindo investimentos que irão compensar algumas das poupanças.

A PSA estabeleceu o objectivo de ter grupos electrogéneos totalmente eléctricos ou híbridos em toda a sua gama de modelos até 2025, enquanto a Fiat Chrysler se comprometeu a electrificar 30 dos seus modelos até 2022.

A resposta a estes desafios vai exigir mais do que capacidade de reestruturação, disse Ferdinand Dudenhoeffer do Centro de Investigação Automóvel na Alemanha.

"Carlos Tavares é um tipo de reestruturação. Ele sabe como reestruturar, mas não tem ideias para um novo caminho", disse.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,4 jan 2021 9:56

Editado porAndre Amaral  em  25 jul 2021 23:21

pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.