Facebook bloqueia conta do chefe das Forças Armadas de Myanmar

PorExpresso das Ilhas, Lusa,27 ago 2018 16:39

A rede social Facebook anunciou hoje que bloqueou a conta do chefe das Forças Armadas de Myanmar (antiga Birmânia), Min Aung Hlaing, e de outras pessoas ou entidades para evitar discursos de ódio e notícias falsas.

"Hoje estamos a tomar mais medidas em Myanmar. Estamos a eliminar um total de 18 contas no Facebook, uma conta no Instagram e 52 páginas no Facebook, seguidas por quase 12 milhões de pessoas. Estamos a manter os dados sobre as contas e as páginas que foram eliminadas", indicou a empresa norte-americana, em comunicado. 

O Facebook salientou que um relatório de uma investigação da ONU encontrou evidências de que "muitas dessas pessoas e organizações cometeram ou permitiram graves violações dos direitos humanos". 

"Queremos impedir que usem o nosso serviço para aumentar as tensões étnicas e religiosas", sublinhou a empresa Facebook, liderada por Mark Zuckerberg. 

Entre os afectados desta acção estão, além do comandante Min Aung Hlaing, a televisão dos militares de Myanmar, Myawady. 

A Missão Internacional de Investigação da ONU indicou, num relatório hoje apresentado em Genebra, que existem elementos do "genocídio intencional" na operação militar lançada há um ano no Estado de Rakhine, oeste de Myanmar, contra a minoria rohingya. 

A missão condenou o Governo da premiada Nobel da Paz Aung San Suu Kyi por não fazer o suficiente para acabar com a violência e recomendou a criação de um tribunal internacional para investigar e processar os alegados autores das Forças Armadas. 

A apresentação do relatório ocorre após um ano dos ataques dos rebeldes contra vários postos de segurança em Rakhine e a resposta desproporcional do exército birmanês que desencadeou o êxodo de 700 mil membros da minoria muçulmana rohingya para o vizinho Bangladesh. 

Myanmar não reconhece os rohingyas como parte da sua população, tratando-os em geral como migrantes do Bangladesh e impondo-lhes numerosas restrições, nomeadamente a liberdade de movimento. 

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,27 ago 2018 16:39

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  27 ago 2018 16:39

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.