Pelo menos 49 mortos em ataque a mesquitas na Nova Zelândia. Atentado transmitido em directo no Facebook

PorExpresso das Ilhas,15 mar 2019 8:57

Duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia, foram alvo de ataques que mataram, pelo menos, 49 pessoas e fizeram 48 feridos graves. O ataque, que começou às 13:40 locais (23:40 em Cabo Verde), foi transmitido em directo na rede social Facebook.

De acordo com o comissário da polícia, Mike Bush, em conferência de imprensa, 41 das vítimas mortais perderam a vida na mesquita de Masjid Al Noor e sete morreram no Centro Islâmico de Linwood. Uma última morreu já no hospital, não resistindo aos ferimentos.

O principal suspeito das autoridades, actualmente detido, deixou um manifesto anti-imigrantes, de 74 páginas, no qual procurou justificar as acções. O manifesto, intitulado “The Great Replacement” (“O Grande Substituto”, numa tradução livre) detalhava as motivações do suspeito: “criar uma atmosfera de medo” e “incitar à violência” contra muçulmanos.

A polícia neozelandesa deteve quatro pessoas relacionadas com os disparos. Uma delas, um homem com mais de 20 anos, está acusado de homicídio e será presente a tribunal.

“Seria errado assumir que não há mais ninguém” ligado ao ataque, afirmou Bush.

A polícia procedeu também à desactivação de explosivos num carro no centro da cidade de Christchurch e emitiu um comunicado a pedir que os meios de comunicação não divulguem as imagens do ataque com “cenas chocantes” e que os cidadãos de todo o país evitem mesquitas. Aos moradores em Christchurch, o comandante pediu que fechassem todas as portas.

image

O directo do ataque, entretanto eliminado do Facebook, mostrava um homem armado com uma arma semi-automática a entrar numa das mesquitas e abrir fogo sobre as pessoas em oração. Depois de abandonar o local, continuou a disparar pela janela.

Também uma conta do Twitter, onde um dos suspeitos publicou imagens do ataque e o manifesto anti-imigração, foi entretanto apagada.

A primeira-ministra, Jacinda Ardern, classificou o ataque como um acto ataque terrorista. Ardern acrescentou que “é óbvio que os ataques foram planeados durante bastante tempo” e subiu o nível de ameaça à segurança nacional do mais baixo para o mais elevado. "Eles são nós", disse.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,15 mar 2019 8:57

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  15 out 2019 23:22

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.