Violência no Burkina Faso provocou 267.000 deslocados internos nos últimos três meses - ACNUR

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 out 2019 16:49

​A violência e a crise humanitária nas regiões centro e norte do Burkina Faso provocaram 267.000 deslocados internos no último trimestre, anunciou hoje o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

“Cerca de 486.000 pessoas já foram forçadas a abandonar o interior do país, incluindo 267.000 só nos últimos três meses”, anunciou o porta-voz do ACNUR, Andrew Mbogori, numa conferência de imprensa em Genebra, acrescentando que outros 16.000 abandonaram o país, refugiando-se nas nações vizinhas.

De acordo com a agência das Nações Unidas, o aumento da violência armada está a provocar uma “emergência humanitária sem precedentes no Sahel”.

Num comunicado publicado no seu portal, o ACNUR refere que todas as 13 regiões do Burkina Faso estão a albergar refugiados, com a região Centro-Norte a acolher o maior número de refugiados, seguindo-se a do Sahel (extremo norte).

A agência da ONU aponta ainda que cerca de 1,5 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária urgente, mostrando-se ainda preocupada com os 31.000 refugiados malianos afectados pelo conflito.

O ACNUR afirma ainda que “as necessidades de ajuda humanitária estão a crescer tão depressa quanto o conflito” e que a “insegurança continua a devastar centenas de milhares de vidas”.

“Precisamos urgentemente de recursos para lançar uma resposta humanitária coordenada – uma necessidade imediata para salvar vidas”, refere a agência, que alerta para as dificuldades já enfrentadas pelas comunidades de acolhimento.

“Alimentos, água, abrigo e cuidados de saúde têm de ser obtidos e reforçados imediatamente se pretendemos evitar uma tragédia dentro de outra tragédia. A subnutrição e a fome são uma ameaça real”, reforçou o ACNUR.

Os ataques por grupos armados na região do Sahel, em particular no Burkina Faso, no Mali e no Níger têm-se intensificado, com o ACNUR a considerar que as fronteiras entre os três países são “focos de violência”.

A agência estima que a violência, que também já afectou o Benim, tenha colocado 5,4 milhões de pessoas em necessidade de assistência urgente.

O Burkina Faso, um país de baixo rendimento na África Ocidental, caiu numa espiral de violência nos últimos quatro anos e meio, atribuída a grupos armados ‘jihadistas’, alguns ligados à Al-Qaida e outros ao grupo terrorista Estado Islâmico.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 out 2019 16:49

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  12 out 2019 8:17

pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.