COVID-19 já deixou 10 milhões de americanos no desemprego

PorExpresso das Ilhas,2 abr 2020 16:05

Só na última semana cerca de 6,6 milhões de pessoas nos EUA pediram subsídio de desemprego, diz o The New York Times que cita fontes da administração norte-americana.

Este é um aumento significativo de pedidos de subsídio, uma vez que na semana anterior 3,3 milhões de norte-americanos já se tinham dirigido aos serviços para apresentar o mesmo subsídio.

Assim, em duas semanas, um total de 10 milhões de norte-americanos pediu ajuda, depois de terem ficado desempregados devido à crise gerada pelo coronavírus.

“A velocidade e escala da perda de empregos não tem precedentes”, revela o jornal norte-americano, avançando que a pior semana para os pedidos de desemprego tinha sido em 1982, quando se registaram 695 mil pedidos para subsídios.

E a expectativa é que as coisas venham a piorar e o número de norte-americanos a realizar pedidos para o desemprego deverá ainda aumentar, segundo as expectativas de um economista que trabalha no Federal Reserve Bank, o banco central dos EUA.

Esse economista prevê que, com a crise provocada pela COVID-19, 47 milhões de americanos podem ser demitidos no segundo trimestre do ano. Por sua vez, os economistas consultados pela ‘Reuters’ previam 3,5 milhões de pedidos e os da Goldman Sachs esperavam seis milhões de pedidos até ao fim de Março.

Com estes valores, os economistas estão a aconselhar o país para se preparar para um número anormal de reivindicações de desemprego, com muitos a mencionar o histórico pacote fiscal de 2 biliões de dólares como um incentivo aos pedidos que têm chegado, uma vez que os trabalhadores por conta própria antes não eram elegíveis para subsídios.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas,2 abr 2020 16:05

Editado porSara Almeida  em  13 jul 2020 23:20

pub.
pub.
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.