Umaro Sissoco Embalo patrocina acordo de deposição de armas entre rebeldes da Casamansa e Senegal

PorExpresso das Ilhas, Lusa,5 ago 2022 8:35

O Presidente da Guiné-Bissau, Umaro Sissoco Embalo, patrocinou hoje a assinatura de um acordo de deposição de armas entre uma ala do Movimento das Forças Democráticas da Casamansa (MFDC) e as autoridades do Senegal.

Em breves declarações em crioulo e em francês, Umaro Sissoco Embalo assinalou que se tratou de um acordo que vai possibilitar a que a ala do MDFC, que luta pela independência da província senegalesa da Casamansa há mais de 30 anos, liderada por Cessar Atout Badiate, prossiga as conversações com as autoridades do Senegal para “acabar com a guerra na Casamansa”.

A chamada ala norte do MDFC, chefiada por Salif Sadio não se fez presente no encontro que decorreu no palácio da presidência da República guineense, em Bissau.

O Presidente guineense disse que não faz sentido que ainda não haja paz no sul do Senegal e que também afecta o norte da Guiné-Bissau, devido às acções dos rebeldes da Casamansa.

Umaro Sissoco Embalo agradeceu “a Deus, todo-poderoso” e disse esperar que o acordo assinado em Bissau vá permitir um cessar-fogo definitivo “entre irmãos senegaleses”.

“Esta guerra começou quando eu tinha 10 anos e hoje tenho 50, quer dizer que esta guerra já fez 40 anos. Fez muitos males. Quantos homens já se perderam neste conflito. Quantas crianças nasceram nas matas por causa da rebelião”, observou Embalo.

O chefe de Estado guineense exortou as partes para que cumpram com a “palavra dada” e ainda disse ter discutido “longamente” com o Presidente do Senegal, Macky Sall, sobre a necessidade de se encontrar um entendimento com o MDFC.

“Quero-vos transmitir a sinceridade do Presidente Macky Sall, o seu engajamento por este acordo. Posso vos assegurar o seu engajamento pela paz na região da Casamansa”, declarou Umaro Sissoco Embalo.

O Presidente guineense enalteceu ainda a postura do seu homologo senegalês que disse ser “um homem de bem e que nunca trairá este acordo”, frisou.

Embalo considerou que a Guiné-Bissau, por ser palco do acordo, tem “muita responsabilidade” e que tudo fará para ser o garante do entendimento que vai acabar com o sofrimento na Casamansa, notou.

“Há muita gente que ganha dinheiro com esta guerra, mas são vocês que sofrem, até porque são vocês que dormem nas matas enquanto outros dormem em bons climas”, notou o Presidente guineense, dirigindo-se aos membros do MFDC presentes na sala.

A Guiné-Bissau será o garante do acordo hoje firmado enquanto Cabo Verde funcionará como observador, disseram à Lusa fontes do Governo de Bissau.

Da parte dos rebeldes da Casamansa, o acordo foi rubricado por César Atout Badiate, líder da ala sul do MFDC, e do lado do Senegal assinou Papa Farba Sarr, coordenador de comissão Ad-Hoc criada por Dacar para as conversações com os independentistas.

A assinatura do acordo de Bissau foi testemunhada por várias individualidades convidadas por Umaro Sissoco Embalo.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,5 ago 2022 8:35

Editado porAndre Amaral  em  16 ago 2022 8:20

pub.
pub.
pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.