ONU pede ajuda para a Etiópia acolher refugiados em novos campos

PorExpresso das Ilhas, Lusa,11 abr 2023 14:12

A Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) apelou hoje à comunidade internacional para apoiar a Etiópia no acolhimento de refugiados, país onde estão a ser criados novos campos para abrigar milhares de pessoas.

Segundo um comunicado emitido hoje após uma conferência de imprensa que decorreu pela manhã no Palácio das Nações, em Genebra, Suíça, a porta-voz do ACNUR, Olga Sarrado, disse que está a ser feita uma deslocalização dos refugiados recém-chegados à região somali da Etiópia, que fugiram dos confrontos na cidade somali de Lascanood.

Ao todo, "1.036 das pessoas mais vulneráveis foram transferidas das zonas fronteiriças para uma nova povoação nos últimos três dias", referiu.

De acordo com aquela responsável do ACNUR, o transporte para o novo local, localizado a cerca de 50 quilómetros da fronteira em Mirqaan, distrito de Bokh, está a ser organizado pelo Serviço de Refugiados e Regressos (RRS, na sigla inglesa) da Etiópia com aquela agência das Nações Unidas e outros parceiros.

À chegada, as famílias de refugiados são registadas biometricamente e recebem uma tenda e outros artigos essenciais de emergência para a construção de uma nova casa.

"O Governo da Etiópia atribuiu generosamente 400 hectares de terreno onde os refugiados podem estabelecer-se e aceder aos serviços existentes, tais como cuidados de saúde, água e educação", adianta a nota.

Já o ACNUR continua a colaborar com as autoridades e líderes locais para "avaliar as lacunas nos serviços básicos, pelo que o apoio beneficia tanto os refugiados como os etíopes".

O local está a ser construído com a ajuda de voluntários da comunidade local e o ACNUR está também a aumentar o seu pessoal na área.

Desde que os confrontos começaram, em meados de fevereiro, milhares de pessoas chegaram à região somali da Etiópia procurando segurança.

Mas, desde a semana passada, 91.000 pessoas foram registadas pela RRS com o apoio do ACNUR. Os refugiados continuam a chegar, fugindo da violência em curso no país de origem e a maioria são mulheres, crianças e pessoas mais velhas, realça o comunicado.

Segundo o ACNUR, há mais de 3.400 crianças e adolescentes sem acompanhamento de familiares ou separados destes, que contam histórias assustadoras de como se separaram da família quando os confrontos começaram e não conseguiram desde então restabelecer o contacto com familiares ou tutores.

"Muitos refugiados estão a ser acolhidos por famílias etíopes, outros permanecem em abrigos superlotados ou dormem ao ar livre e necessitam de assistência urgente", sublinha a responsável do ACNUR.

A criação do sítio Mirqaan irá responder às necessidades, cada vez maiores, e facilitará a assistência, incluindo abrigo, artigos de primeira necessidade, comida e água, aos que não têm laços com a comunidade.

Os serviços existentes na cidade vizinha serão reforçados para servir tanto os refugiados como as comunidades de acolhimento e aqueles que desejarem permanecer nas comunidades de acolhimento serão apoiados através de assistência específica, assegurou.

Até porque no mês passado, o ACNUR e os parceiros humanitários lançaram um plano de resposta de emergência para refugiados no valor de 116 milhões de dólares para responder às necessidades críticas imediatas dos refugiados e comunidades de acolhimento nesta área.

Porém, a agência das Nações Unidas "continua a apelar à comunidade internacional para apoiar o governo etíope, o ACNUR e outras organizações a prestar ajuda e serviços básicos para salvar vidas", frisa a responsável no comunicado.

A Etiópia há décadas que acolhe refugiados e neste momento tem quase 990.000 refugiados de países vizinhos como o Sudão do Sul, Somália, Eritreia e Sudão.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

ONU Etiópia

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,11 abr 2023 14:12

Editado porAndre Amaral  em  5 jan 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.