Etiópia. Rebeldes de Oromo denunciam ofensiva em pleno processo de paz

PorExpresso das Ilhas, Lusa,17 mai 2023 13:57

Os rebeldes do Exército de Libertação de Oromo (OLA, na sigla em inglês) acusaram hoje o Governo federal etíope de lançar uma ofensiva contrária à "esperada desescalada" após as recentes negociações de paz iniciais mal sucedidas.

Activo na região de Oromia, a maior e mais populosa da Etiópia que circunda a capital Adis Abeba, o OLA luta contra as autoridades etíopes desde a sua divisão em 2018 com a histórica Frente de Libertação de Oromo (OLF, na sigla em inglês), a qual havia renunciado à luta armada naquele ano, quando o atual primeiro-ministro, Abiy Ahmed, chegou ao poder.

O Governo etíope e o OLA - classificado como organização terrorista por Adis Abeba desde 2021 - iniciaram conversações em 25 de Abril em Zanzibar, uma ilha semiautónoma da Tanzânia, que os rebeldes descreveram como "preliminares de negociações mais profundas".

Odaa Tarbii, porta-voz do OLA, em declarações à AFP, disse que após o fim desta primeira ronda de conversações, concluída em 03 de Maio sem progressos, "o regime lançou uma ofensiva total (...) que é contrária ao espírito de desanuviamento que esperávamos".

"Apesar de não ter havido um cessar-fogo formal, foi acordado que seria preferível uma diminuição da escalada durante o processo de negociação", acrescentou.

Com esta ofensiva, continuou, as autoridades federais estão a tentar "ganhar uma posição de força e a forçar a aceitar as suas condições".

"Mas não devem tomar o nosso empenho na paz como um sinal de fraqueza", frisou.

Com o acesso restrito à região, é impossível à AFP verificar de forma independente a situação no terreno.

Questionadas sobre o assunto, as autoridades etíopes ainda não responderam aos pedidos de comentários da AFP.

"De momento, não temos datas específicas para a próxima ronda de negociações", disse também Odaa Tarbii, e o OLA "deixa a porta aberta para continuar as negociações".

Estimada em alguns milhares de homens em 2018, a força do OLA aumentou significativamente nos últimos anos, embora observadores o considerem insuficientemente organizado e armado para representar uma ameaça real para o governo federal.

A Oromia é a região do povo Oromo e é afetada por uma violência multifacetada, o que torna a situação extremamente confusa: lutas políticas internas, disputas territoriais e animosidades entre comunidades, bem como o recente desenvolvimento do banditismo armado.

Nos últimos anos, tem sido palco de massacres étnicos - os autores não estão claramente identificados - em especial nos Wollegas, uma zona remota no extremo oeste, onde visam principalmente os Amhara, o segundo povo mais numeroso da Etiópia, mas uma minoria muito pequena em Oromia.

O OLA tem sido repetidamente acusado pelo Governo de Abiy de ser responsável por estes massacres, o que esta organização nega sistematicamente.

O Governo é acusado de repressão indiscriminada que alimenta o ressentimento dos Oromo contra o Governo federal.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,17 mai 2023 13:57

Editado porAndre Amaral  em  18 mai 2023 7:40

pub.

pub.

pub
pub.
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.