​Coreia do Norte tem primeiras eleições locais com mais de um candidato

PorExpresso das Ilhas, Lusa,26 nov 2023 9:44

A Coreia do Norte realiza hoje eleições locais destinadas a escolher governadores provinciais, presidentes de câmara e membros das assembleias locais, e que pela primeira vez têm mais do que um candidato em alguns distritos.

"Os membros desta república altamente digna devem cumprir os seus deveres" como eleitores, defendeu hoje o principal jornal oficial norte-coreano, Rodong, num editorial sobre a celebração das eleições.

Os cidadãos devem ainda "lembrar o amor e a consideração que receberam do Partido [dos Trabalhadores, partido único] e do Estado durante as eleições", acrescentou o editorial.

O regime colocou "meios visuais para as eleições" na capital Pyongyang e em todas as províncias, cidades e distritos eleitorais, referiu o jornal, acrescentando que "foram realizadas reuniões de eleitores em todo o país para examinar as qualificações dos candidatos".

A Coreia do Norte realiza eleições locais de quatro em quatro anos desde 1999 e o número de assentos é determinado pela população de cada área, embora o processo seja uma mera formalidade, uma vez que os candidatos são previamente selecionados pelo Partido dos Trabalhadores, liderado pelo líder do país, Kim Jong-un.

Até agora, apenas tinha sido apresentado um candidato por distrito, mas, numa aparente tentativa de introduzir alguma competição, este ano alguns distritos tiveram dois candidatos, graças a uma recente revisão da lei eleitoral norte-coreana.

"Devemos fortalecer o governo popular de todas as maneiras possíveis e melhorar constantemente as suas funções e papéis de acordo com as exigências dos tempos e do desenvolvimento revolucionário", disse Kim a propósito das eleições, citado pelo Rodong.

O jornal defendeu que as eleições de hoje "marcam mais um marco no fortalecimento da soberania nacional".

Os candidatos eleitos "devem estar conscientes da grande confiança e expectativas do povo que os propôs como representantes da soberania local e fazer mais pelo Partido, pela revolução e pela população", acrescentou o editorial.

O Ministério da Unificação da Coreia do Sul, responsável pelas relações com Pyongyang, disse que a mudança não representa a introdução de eleições livres, mas antes uma tentativa de gerir a opinião pública face às dificuldades económicas que o Norte atravessa.

As eleições locais acontecem menos de uma semana depois da Coreia do Norte ter colocado em órbita um satélite espião.

No sábado, Pyongyang garantiu que o satélite captou imagens de potenciais alvos na vizinha Coreia do Sul, incluindo bases militares dos EUA, embora não tenha divulgado até ao momento quaisquer imagens.

O serviço de inteligência sul-coreano disse na quinta-feira que ainda era demasiado cedo para saber se o satélite está a funcionar.

Em retaliação, Seul decidiu suspender de forma parcial o acordo militar assinado com Pyongyang em 2018 para evitar confrontos acidentais.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,26 nov 2023 9:44

Editado porFretson Rocha  em  1 mar 2024 23:28

pub.

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.