Norte da Nigéria enfrenta níveis catastróficos de desnutrição

PorExpresso das Ilhas, Lusa,12 mar 2024 8:09

A ajuda humanitária disponível para apoiar as pessoas no noroeste da Nigéria, onde existem "níveis catastróficos de desnutrição e surtos de doenças evitáveis", está a diminuir, alertou hoje a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF).

"Nos últimos anos, mais de 600.000 pessoas foram deslocadas das suas casas no noroeste da Nigéria devido à violência extrema, a deterioração das condições económicas e as alterações climáticas", alertaram os MSF em comunicado.

A organização frisou ainda que, apesar "dos sinais encorajadores de mobilização de grupos humanitários e doadores em 2023", o financiamento e a ajuda actualmente disponíveis são "muito insuficientes para as crescentes necessidades humanitárias das pessoas".

"Embora tanto as regiões do nordeste como do noroeste continuem a ser afectadas por elevados níveis de desnutrição e doenças evitáveis, a não inclusão destas zonas em todos os Planos de Resposta Humanitária (PRH) anteriores é alarmante", declararam.

Os MSF expressaram "repetidamente" às Nações Unidas e aos doadores a preocupação sobre a "alarmante e deteriorada crise humanitária no noroeste", afirmou o chefe da missão da organização, Ahmed Bilal, citado no comunicado.

"A falta de reconhecimento da crise está a ter um impacto severo na saúde e nas necessidades humanitárias das pessoas, e está a atrasar a resposta, que é desesperadamente necessária", declarou Bilal.

As pessoas que vivem nos estados de Zamfara, Sokoto, Katsina e Kebbi - no noroeste - foram atingidas pela violência persistente, principalmente banditismo armado e raptos, referiram os MSF.

"No ano passado, mais de 2.000 pessoas foram mortas em mais de 1.000 incidentes violentos na região, de acordo com o Projecto de Dados sobre Localização e Eventos de Conflitos Armados (ACLED)", citaram os MSF.

A população foi deslocada das suas casas e perdeu os seus meios de subsistência, estando, muitas vezes, impedida de encontrar alimentos e de ter acesso a cuidados de saúde, indicaram.

"A crise fez disparar as taxas de subnutrição e de outras doenças. Estima-se que cerca de 2,6 milhões de crianças sofrem de desnutrição aguda grave no país, das quais 532.163 estão nos estados de Sokoto, Katsina e Zamfara, de acordo com inquéritos nacionais realizados pela UNICEF e pelas autoridades", declararam.

"Quando as pessoas ficam doentes, as suas famílias são forçadas a pesar os riscos de viajar para uma instalação", alertaram.

Os surtos de doenças evitáveis, como a malária, cólera, meningite, sarampo e difteria, são recorrentes e generalizados, frisaram.

Em 2023, as equipas dos MSF no noroeste da Nigéria trataram 169.954 casos de malária, 4.462 casos de cólera, 1.548 casos de meningite, 1.850 casos de sarampo e 13.290 casos de difteria.

A insegurança está a dificultar o acesso das agências humanitárias a certas regiões, referiram.

"Perante a perspectiva de um alarmante 2024, os MSF apelam aos organismos de ajuda humanitária e ao Governo nigeriano para que se mobilizem urgentemente em todo o noroeste da Nigéria, onde o acesso é possível, para responder a esta emergência humanitária negligenciada", concluíram.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Expresso das Ilhas, Lusa,12 mar 2024 8:09

Editado porAndre Amaral  em  21 jul 2024 23:30

pub.

pub
pub.

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.