Falucho: Com o mar por meio

PorManuel Brito-Semedo,6 fev 2018 6:02

​Homenagem a Nho Ni, Capitão do navio Maguy

Sendo nós gente das ilhas, habituámo-nos com o escrever, o enviar e o receber de cartas, das ilhas e da terra-longe, com os “rumores da emigração, / nos carimbos postais / em dias de malas…”.

Em 1956 o Poeta Jorge Barbosa não se coibiu em publicar cartas/poemas para serem lidas no Brasil pelos escritores Manuel Bandeira, Gilberto Freyre e Ribeiro Couto (cf. Caderno de um Ilhéu).

Livro
Livro

– Seló… Seló!...

O Falucho faz hoje de correio aventurando-se em mar largo numa viagem de longo curso para fazer a entrega de umas cartas de longe escritas entre 1992 e 1998, trocadas entre dois grandes nomes da língua portuguesa, Jorge Amado (Brasil) e José Saramago (Portugal).

“Desta ilha de Lanzarote, com o mar por meio, mas com braços tão longos que alcançam a Bahia, nós, e os que mais cá estão, parentes e amigos, admiradores todos, vos enviamos muito saudar e votos valentes contra as coisas negativas da vida” – José Saramago, 24.Dez.1994

Esta é uma das várias correspondências trocadas entre Jorge Amado (Brasil, 1912 – 2001), Prémio Camões em 1994, e José Saramago (Portugal, 1922 – 2010), Prémio Camões em 1995 e Nobel da Literatura em 1998, publicadas em livro em Novembro de 2017 com o título Com o mar por meio, Uma amizade em cartas Jorge Amado e José Saramago, que nos faz estar na Bahia com Jorge Amado, em Lanzarote com José Saramago ou até em Paris com ambos. Sempre na companhia de Zélia e Pilar.

A organização e selecção dessa correspondência, feita por Paloma Jorge Amado, da Fundação Casa de Jorge Amado, e Ricardo Viel, da Fundação José Saramago, só foi possível por Jorge Amado ter sido um “homem muito disciplinado e organizado, qualidades exacerbadas pelos anos de militância comunista”, que, com “o advento das copiadoras”, passou a reproduzir as cartas enviadas, conta a filha do brasileiro, na introdução do livro.

São cartas, bilhetes, cartões e faxes com uma rica troca de ideias sobre questões da vida íntima, da conjuntura contemporânea, sobretudo a cena literária. Debatem sobre prémios e associações de escritores, com especulações divertidas sobre quem seria, por exemplo, o próximo a ser contemplado com o Nobel ou o Camões.

São 120 páginas de um livro primoroso, em tamanho pouco mais que A 5, contendo textos, fac-símiles e fotos raras, com um projecto gráfico especial, todo ele em tom azul marinho, que atesta a amizade desenvolvida por esses dois escritores.

A Fundação Casa de Jorge Amado, criada em 1986, é detentora de um acervo de cerca de 250 mil documentos, de que 70 mil são cartas trocadas entre Jorge Amado e alguns escritores importantes do nosso tempo, como Carlos Drummond de Andrade, Pablo Neruda, Nicolás Guillén, Ferreira de Castro, João Ubaldo Ribeiro, Érico Veríssimo e José Saramago.

Com o mar por meio, Uma amizade em cartas Jorge Amado e José Saramago é o primeiro de um projecto de livros de igual teor a ser publicado proximamente.

Jorge Amado e José Saramago
Jorge Amado e José Saramago

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 844 de 31 de Janeiro de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Autoria:Manuel Brito-Semedo,6 fev 2018 6:02

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  6 fev 2018 6:02

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.