Luís Lobo: uma voz vibrante da rádio e da música (II)

PorCésar Monteiro,28 mar 2018 6:29

“O amor pela rádio venceu essa luta romântica, que ainda travo dentro de mim” (Luís Lobo)

A vocação de Luís Lobo para o teatro, em especial, que advém da sua versatilidade artística legada pela família biológica, perfila-se e ganha corpo, ainda cedo, no então Liceu Adriano Moreira, sob a orientação de Mário Santos, de nacionalidade portuguesa, preso político, ao tempo, e docente da cadeira de História nesse estabelecimento de ensino secundário praiense. Já na escola primária, é certo, Luisinho começa a actividade teatral. Todavia, em rigor, começa, sim, a “fazer teatro a sério, quando frequentava o 2º ano liceal, teria ele cerca de 13 anos, na fase irrequieta da sua pré-adolescência.

À época, Luisinho pertencia à Juventude Escolar Católica – JEC e, no antigo Salão da Igreja Católica, na Rua Sá de Bandeira, onde havia um palco também reservado a espetáculos, fez teatro cantado. Fisicamente, Luisinho dava ares de Cristo, por culpa da longa cabeleira que trazia, conforme ditara a moda da era dos Beatles e dos Rolling Stones. Desafiado por um jovem “padre yé-yé” português a cantar a composição de Jesus Cristo, de Roberto Carlos, na Igreja Católica da Praia, “fui o primeiro homem a cantar música pop-rock na Igreja da Praia”, peranteos fiéis que acharam linda a interpretaçãoe“aplaudiram-me de pé”, longe de ser acusado de transgressão, heresia, ou de desrespeito à religião. Concluído o ensino secundário, Luisinho não prosseguiu o teatro, que, aliás, não considerava actividade artística essencial da sua eleição, e, já em São Vicente a residir definitivamente, na primeira metade da década dos anos 80, diz ter declinado um convite que João Branco lhe fizera para integrar a Associação do grupo de teatro do Centro Cultural português.

Paralelamente ao interesse pela música e, acessoriamente, pela actividade teatral, a propensão de Luís Lobo para a rádio emerge ainda cedo, no seio familiar, incitado pela mãe que a ela sempre esteve muito ligada como colaboradora de programas radiofónicos de Barreto Monteiro e de José Gonçalves, na Praia. Ainda pequenino, costumava ouvir muito rádio em casa, “havia ali um transístor do meu avô materno, da marca Philips, e ouvia a Rádio Globo em ondas médias, a Voz da América e a Emissora Nacional portuguesa. Minha mãe influenciou muito a opção pela rádio, mas também a parte poética, pois ela escrevia poesia”.

Em plena infância, Luisinho ganhou gosto pela rádio, mas só viria a ingressar na então Rádio Clube de Cabo Verde, no 4º ano liceal, pelas mãos do seu tio paterno, Pedro Lobo, sócio daquela instituição praiense. No entanto, o ingresso na Rádio de Luisinho, em1969, processou-se por etapas, evoluindo do estatuto de colaborador, até à sua entrada definitiva no quadro. “Eu era colaborador, estudava no liceu e apresentava o programa Lembranças pela Rádio, lia algumas coisinhas, alguns avisos, ia à antena fazer pequenas animações. Na mesma altura, aparecem o Ivo Vera-Cruz e o Luís Carlos de Vasconcelos, mas, por eu ter feito teatro radiofónico com Mário Santos, tive contactos nos estúdios, antes deles, se não me falha a memória. ”. Rapidamente, deslumbrado com os estúdios e microfones, apaixonou-se pelo que vira e, sempre que pudesse, “eu dava um saltinho à Rádio, o Sr. Fernando de Palma Andrade mostrava-me o sítio, depois, o Barreto Monteiro, tudo isso antes de 25 de Abril de 1974”.

Incentivado pela velha guarda da Rádio que, de resto, apreciava a sua prestação, Luisinho, juntamente com o seu colega, Luís Carlos, logo após à independência nacional, entre 1975 e 1976, candidata-se a um concurso para entrar na Rádio e foi selecionado como locutor, passando, a partir dessa data, a pertencer, definitivamente, ao quadro da Rádio de Cabo Verde. Na altura, não havia jornalistas e aparecem, muito tempo depois, a primeiras formações. Conciliar o estatuto de estudante liceal com a actividade musical e radiofónica não se revelava empresa fácil, pelo que Luís Lobo se vê coagido a abandonar Os Tubarões e “pegar na Rádio”, profissão que já abraçara pela via de concurso. A seu pedido, por razões várias de natureza “política, social e laboral”, que aqui não importa referir, Luisinho, agastado, foi transferido da Praia para a cidade do Mindelo, mas, também, ditado pelo relacionamento amoroso que mantinha com Maria do Céu Pires Chantre e Melício (Céu), que, aliás, conhece através do programa radiofónico matinal Bom dia Cabo Verde, e com quem viria a contrair matrimónio, a 31 de Julho de 1984. Na verdade, confessa Luís Lobo, a rádio tem sido a sua “grande parceira” na aquisição de grandes conhecimentos. “A Céu, meu porto seguro, começou a ligar para mim e eu para ela, conhecemo-nos e, depois, vim fazer uma formação em jornalismo no Palácio da Foz, em Lisboa, e, a partir daí, nasce esse casamento, com altos e baixos, é certo, como tudo na vida, e que já dura há cerca de trinta e oito anos”.

Numa aventura impulsionada sobretudo pela mãe, que queria ver o filho “longe daquela vida boémia da Praia”, Luisinho rumou para S. Vicente, que o acolhe “muito bem”, e dele se apropria como é, timbre, aliás, da vocação cosmopolita da sociedade mindelense. Decisivamente, a mobilidade de uma cidade para outra, no interior do próprio país, à procura de alguma tranquilidade que lhe diz ter faltado no seu ambiente laboral, na Praia, constituiu uma “grande viragem”na vida de Luís Lobo, ao ponto de, ele próprio, considerar a ilha do Porto Grande “a minha ilha de adopção”, juntamente com a vizinha e imponente Santo Antão.

Ancorado na rádio, mas sem, contudo, virar as costas à música, Luís Lobo, pai de dois filhos e avô, teve a oportunidade de fazer algumas formações no exterior, nomeadamente, em Portugal e nos Estados Unidos da América, nos anos que se seguiram à independência nacional, nas áreas da publicidade e do desporto, tendo trabalhado, igualmente, como comentador desportivo, nas ditas tardes desportivas radiofónicas. No dia-a-dia, a rádio e a música “vivem no meu coração” e dessa feliz união emerge a poesia, tanto é assim que diz ter publicados poemas com o pseudónimo de Luva Solo (Luís Vasco de Sousa Lobo). Incitada pela mãe, que “gostava de escrever e adorava a poesia”, Luís Lobo cria, ainda na Praia, antes da sua transferência definitiva para São Vicente, em 1984, o famoso programa Música & Poesia, transmitido, às quintas-feiras, às 23 horas, nas antenas da Rádio de Cabo Verde (RCV).

Aposentado, por antecipação, em 2008, por razões de saúde e deincapacidade (pólipos nas cordas vocais), que o impedem, de forma contínua, de fazer rádio e cantar e o obrigam a controlo médico permanente em Portugal, Luís, com um trajecto respeitável, continuou, no entanto, a editar e apresentar o programa radiofónico de música e poesia, A Hora do Lobo,mantendo-o semanalmente no ar, para “não ficar sem fazer nada (…), diminuir a saudade e matar, um bocadinho, o bichinho”. Profundamente identificado com a rádio, a sua paixão maior, e, não havendo nada que o estorve, “continuarei a fazer Música & Poesia, até ao fim dos meus dias”.

(Última parte).

Luis Lobo
Luis Lobo

Luis Lobo
Luis Lobo

Luis Lobo
Luis Lobo

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 851 de 21 de Março de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Luís Lobo

Autoria:César Monteiro,28 mar 2018 6:29

Editado porNuno Andrade Ferreira  em  28 mar 2018 6:29

pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.