Falucho:Matilde, Valsa de despedida

PorManuel Brito-Semedo,5 abr 2018 7:23

Homenagem aos Capitães bravenses das viagens para a América

A vocação marítima do bravense recua aos tempos da pesca da baleia, nos meados do século XVIII, com a tradição da construção naval e com a escola de pilotagem. Tudo terá começado com a passagem por Cabo Verde de barcos baleeiros recrutando homens para trabalhar na pesca da baleia.

Nos finais do século XVII, segundo António Carreira (1983), baleeiros americanos e de outras nacionalidades começaram a pesca de cetáceos nos mares dos Açores e das Ilhas de Cabo Verde. As relações com os insulares, entre os quais procuravam auxiliares para as tarefas da pesca, terão aberto aos cabo-verdianos as perspectivas de emigrar para os Estados Unidos.

De 1880 a 1889, uma vaga de naturais da ilha Brava seguiu nos navios de baleia e, a partir da última data, a emigração para os Estados Unidos atingiu as restantes ilhas, com grande entusiasmo e êxito.

O Museu da Baleia da cidade de New Bedford, Massachussetts, nos Estados Unidos, dá conta do envolvimento desses homens durante esse período da pesca da baleia.

Valsa Matilde

A 23 de Agosto de 1943, aquando da despedida dos passageiros e dos tripulantes do veleiro Matilde e da fatídica viagem para a América [ver Expresso das Ilhas n.º 850 de 14 de Março de 2018], Silvestre Pinheiro Faria (Brava, 1924 – 1993) compôs a ‘Valsa Matilde’, poema musicado por José Medina (Brava, 1900 – 1953), um dos maiores compositores da Brava [disponível no Youtube [ https://www.youtube.com/watch?v=9ZDWNMu8OC0 ], numa premonição poética do que viria a acontecer dias depois:

Partem os filhos da Brava,

Dignos irmãos dos de outrora,

Causa que então os levava,

É a mesma que os leva agora.

Nada evita a partida

De quem quer vencer na vida.

Velas ao vento, navio ao largo,

Que triste e amargo momento.

[…]

Mães, esposas, bem amadas,

Não choreis vossos amores,

Não temais nem as lufadas,

Nem das ondas os furores,

Que tem mais força a vontade

Que a alma da tempestade.

………

[…]

E assim vão sulcando o mar

Pensando sempre em voltar.

“Depois que Matilde sumiu entre pesadas nuvens, as procelas iniciam uma grotesca dança nas costas da Ilha. O temido ‘inverno’ do Ciclo das Águas chega demasiadamente cedo e implacável. Para piorar, um ciclone devasta o mar e a terra”.

Memorial Fajã d’Água

De Agosto a Novembro, por causa do vento sul que se fazia sentir durante o tempo das chuvas, o porto da Furna não oferecia condições de segurança aos navios pelo que a alternativa era o porto da Fajã d’ Água. Foi assim que o veleiro Matilde partiu da baía da Fajã d’ Água para a sua última e fatídica viagem rumo aos Estados Unidos.

Em 1993, para assinalar os 50 anos do desaparecimento do veleiro, os emigrantes americanos mandaram construir à entrada dessa povoação da Fajã d’ Água um monumento para honrar os filhos da Brava desaparecidos nessa viagem. Nele estão inscritos por ordem alfabética os nomes dos 53 passageiros e dos tripulantes então desaparecidos.

“Para não esquecer os sacrifícios dos seus emigrantes os bravenses puseram no 50.º aniversário do ‘Matilde’ 1943-1993”.


Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 852 de 28 de Março de 2018.

Concorda? Discorda? Dê-nos a sua opinião. Comente ou partilhe este artigo.

Tópicos

Brava

Autoria:Manuel Brito-Semedo,5 abr 2018 7:23

Editado porrendy santos  em  9 abr 2018 17:17

pub.
pub.
pub

Últimas no site

    Últimas na secção

      Populares na secção

        Populares no site

          pub.